fechar

Educação além dos livros, para emancipar e incluir

Professora Silvania Inês de Carvalho, da escola Benno Breunig, é finalista do prêmio ‘Adiante, professor’, na categoria ensino fundamental – anos finais

por: Juliana Bencke
Data: 21/08/2018 | 08:43

No início de cada ano letivo, a professora de Geografia Silvania Inês de Carvalho, 53 anos, envia uma carta para as famílias dos estudantes, solicitando 'autorização para uma viagem geográfica'. No documento, menciona os conteúdos que trabalhará com a turma e pede a parceria dos pais para que, ao fim do ano, o aluno ganhe uma passagem para a série seguinte. 

Foto: Juliana Bencke / Folha do Mate Silvania, durante uma das aulas de Geografia, na Emef Benno Breunig. Atividades propõem reflexão e buscam aproximar conteúdos da vida dos alunos
Silvania, durante uma das aulas de Geografia, na Emef Benno Breunig. Atividades propõem reflexão e buscam aproximar conteúdos da vida dos alunos

A viagem que a professora Silvania propõe aos estudantes tem passeios reais, projetos e aulas ao ar livre. Caça ao tesouro e passeios pelo município, para aprender sobre pontos cardeais e colaterais, com auxílio da rosa dos ventos e GPS, são algumas as atividades realizadas, com as turmas de 6º a 9ª ano da Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Benno Breunig. 

'Aproveito tudo que a realidade oferece: projetos, mobilização das famílias, comunidade (buscando parcerias), saídas de campo, pesquisas, visitas a universidades, entrevistas, inscrição dos projetos em concursos e feiras', cita a docente.

Para Silvania, as aulas que aproximam os conteúdos dos livros ao cotidiano dos estudantes são estratégias para desenvolver o gosto pelo estudo e o sentimento de pertencimento à escola. 'Busco fazer com que o aluno sinta-se sujeito atuante dentro da turma, escola e comunidade. Mobilizando as turmas na realização de projetos, inscrevendo seus projetos em feiras do município e desafiando os alunos nas mais diversas atividades que vão surgindo.'

Motivo os alunos para que sintam-se atores e autores de suas aprendizagens diferenciadas, podendo, assim, serem agentes de transformação do seu espaço geográfico.'

Na Geografia da professora Silvania, em meio a mapas e estudos sobre população, é possível elevar a autoestima das crianças e dos adolescentes. 'Ela é um professora envolvida com a educação de corpo e alma. É inspiradora e está sempre buscando oferecer o melhor para o aluno, com atividades fora da sala de aula', ressalta a diretora da Emef Benno Breunig, Carine Isabel Reis. 

Ativista da causa afrodescendente, um das fundadoras do Movimento Negro de Venâncio Aires e integrante da Organização Não Governamental (ONG) Alphorria, Silvania encontra inspiração na história da própria família. Bisneta de escravos fugidos, enfrentou, desde a infância, a barreira do preconceito e estudou por incentivo dos pais. 'Eles eram humildes, mas possuíam uma visão de que as filhas só poderiam ter uma emancipação, enquanto negras, mulheres e pobres, através da educação.'

Silvania acredita que somente o verdadeiro entendimento gera inclusão e respeito à diversidade. É por isso que, além de dividir a própria história com os alunos, aposta em atividades práticas para trabalhar questões sobre diversidade. 

Visitas a aldeia indígena Foxá, de Lajeado, e ao Lar Novo Horizonte, como culminância do estudo sobre expectativa de vida, são exemplos de atividades que, mais do que trabalhar conteúdos, estimulam a empatia. 'É um incentivo para colocar-se no lugar do outro, sentindo na pele. Quando existe o verdadeiro entendimento, atitudes conscientes começam a abrir caminhos para a inclusão das diversidades', considera.

Acredito que a emancipação do cidadão só se concretiza através da educação.'

Foto: Juliana Bencke / Folha do MateSilvania: Acredito que a emancipação do cidadão só se concretiza através da educação.'
Silvania: Acredito que a emancipação do cidadão só se concretiza através da educação.'

Perfil

Formada no Magistério, teve como primeiro local de trabalho a Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Professora Odila Rosa Scherer, à época, instituição cenecista. Possui licenciatura em Geografia e especialização, atuando como orientadora educacional nas Emefs Benno Breunig e Otto Gustavo Daniel Brands. Também leciona nas turmas de correção de fluxo, da Emef José Duarte de Macedo, e como assessora das causas afro e indígenas, na Secretaria Municipal de Educação.

Série

Desde a semana passada, a Folha do Mate apresenta os nove finalistas do prêmio 'Adiante, professor'. Na quinta-feira, 23, será divulgada história da professora de Matemática Tayná Luiza Henn, finalista na categoria Ensino fundamental - anos finais. A premiação do 'Adiante, professor', com revelação do professor destaque, ocorre dia 31, durante a Feira do Livro.

  • LEIA MAIS 

Saiba quem são os finalistas do prêmio 'Adiante, professor'

"Temos uma missão muito grande na educação infantil"

Educação sem egoísmo, para inspirar e desenvolver

Imaginação e curiosidade para aprender

'É preciso ensinar com os olhos do coração'