fechar

Caps infantil: um complemento para o serviço de saúde mental

por: Débora Kist
Data: 14/11/2018 | 17:30
Vivo

 

Foto: Débora Kist / Folha do MateParte da equipe que atua no Caps i, junto com o prefeito Giovane Wickert e o secretário de saúde, Ramon Schwengber
Parte da equipe que atua no Caps i, junto com o prefeito Giovane Wickert e o secretário de saúde, Ramon Schwengber

Um passo importante para a rede de saúde pública de Venâncio Aires foi dado há cerca de quatro meses, quando o serviço do Centro de Atenção Psicossocial Infantil (Caps i) foi habilitado pelo Governo Federal e passou a ser oferecido na cidade. Essa condição 'local' permitiu autonomia ao município, já que agora não precisa mais fazer os encaminhamentos a Rio Pardo, que era a referência no atendimento.

O Caps i, voltado a crianças e adolescentes com transtornos mentais e até casos mais graves, como tentativas de suicídio, automutilação e depressão, é apontado pela Administração Municipal como um complemento dos serviços de saúde mental oferecidos em Venâncio Aires. Isso foi destacado ontem à tarde, durante o ato oficial que marcou a inauguração do centro.

Segundo o secretário de saúde de Venâncio, Ramon Schwengber, foram três anos de espera, desde que o processo de habilitação foi requerido em Brasília. 'Só faltava um Caps infantil para complementar os demais serviços em torno da saúde mental. Isso nos dá condições de aproximar ainda mais a atenção, tratar cada caso de forma individual, como deve ser, sem falar que agora não temos mais o desgaste das viagens.'

Antes a referência no atendimento era Rio Pardo e cerca de 50 crianças e adolescentes eram tratados lá. Com o centro local, esse número cresceu e atualmente são cerca de 120. 'O número é relativo, porque a demanda aparece quando há o serviço. Além disso, agora somos referência da microrregião', explica Schwengber.

Entre os municípios está Passo do Sobrado e a secretária de Saúde, Tatiane Helfer, comemorou a habilitação de Venâncio. 'Isso foi ótimo, porque toda nossa referência em saúde, inclusive do Caps Adulto, já é aqui', destaca. Além de Passo do Sobrado, Vale Verde e Mato Leitão também encaminharão crianças e adolescentes a Venâncio.

Foto: Débora Kist / Folha do MateSegundo o enfermeiro Samuel, muitos casos envolvem problemas com drogas e violência sexual
Segundo o enfermeiro Samuel, muitos casos envolvem problemas com drogas e violência sexual

O DIA A DIA
O Caps i atende crianças e adolescentes com transtornos mentais - desde psicoses, transtornos de conduta e bipolaridade - até tentativas de suicídio, automutilação, depressão grave e autismo. Muitas crianças são acompanhadas por pais ou responsáveis durante o atendimento. Semanalmente, há dois meses, essa é a rotina de uma mãe que trabalha como autônoma. A mulher leva o filho de 9 anos, que é autista e tem transtorno opositor. 'Para mim esse acompanhamento é muito importante. Aqui tem o acompanhamento do médico, psicólogo e todo o trabalho de convivência em grupo. Faz toda a diferença pra ele'.

Mas a realidade desse menino de 9 anos não é a única e até há situações mais graves e que podem causar riscos. Segundo o enfermeiro Samuel Bittencourt da Luz Junior, embora muitos casos tenham relação com dificuldades no aprendizado nas escolas, devido à bipolaridade, por exemplo, é crescente os problemas de maior gravidade. 'Temos muitos casos de autoagressão e infelizmente isto tem relação com o uso de drogas ilícitas, como cocaína e crack', revela.

Além disso, segundo o enfermeiro, há muitas situações envolvendo abuso sexual na família. 'É possível dizer que a cada 10 jovens que se automutilam, três é porque sofreram algum tipo de violência sexual. Quando investigamos, essa é a triste realidade.'

'A abertura do Caps infantil é resultado de um trabalho em equipe, graças também a uma relação política, o que possibilita muita coisa. E aqui vale destacar o trabalho do deputado federal Alceu Moreira (MDB), que nos ajudou na busca por essa habilitação no serviço.'

GIOVANE WICKERT
Prefeito de Venâncio Aires

R$ 55 mil - é o gasto mensal para manter o Caps i. Segundo o secretário Ramon Schwengber, os recursos vêm da União (R$ 32 mil), Estado (R$ 12 mil) e contrapartida municipal (R$ 11 mil)

ESTRUTURA
O Caps i está localizado na rua Sete de Setembro, na esquina com a avenida Ruperti Filho, e atende das 7h30mim às 17h30min. São diversos profissionais diretos, entre eles psiquiatra, enfermeiro, assistente social, terapeuta ocupacional, dois psicólogos, cinco cuidadores, médico clínico geral, técnico em enfermagem e oficineiro de música. A maior parte das crianças e adolescentes atendidos tem entre 7 e 18 anos. Além do atendimento, recebem café da manhã, almoço e lanche da tarde.