fechar

Índice Firjan: a receita de Mato Leitão para o desenvolvimento

por: Juliana Bencke
Data: 30/06/2018 | 07:00

Moradora de Mato Leitão desde criança, a monitora de educação Lia Lopes Santos, 29 anos, nunca pensou em morar em outro lugar. "Daqui não saio. Temos educação de qualidade, segurança e acesso aos atendimentos de saúde. Não tem melhor lugar para criar um filho do que Mato Leitão", acredita.

Foto: Juliana Bencke / Folha do MatePara a mato-leitoense Lia, não há lugar melhor para criar o filho Theodoro, de 3 anos
Para a mato-leitoense Lia, não há lugar melhor para criar o filho Theodoro, de 3 anos

Para Lia, os investimentos em educação estão entre os principais motivos que fazem da Cidade das Orquídeas o melhor lugar para o crescimento do filho Theodoro Fischer, 3 anos, aluno da Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) Vó Olga. "Educação sempre é prioridade aqui. Temos toda estrutura, material e apoio aos profissionais. Isso faz a diferença", comenta a mato-leitoense.

Ao mesmo tempo em que dão a certeza para a família de Theo sobre a infraestrutura adequada para viver bem, as ações voltadas à educação pública estão entre os fatores que explicam o desempenho positivo do município de pouco mais de 4,2 mil habitantes no Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal.

O levantamento divulgado na quinta-feira, 28, apontou Mato Leitão como 4º município no ranking estadual. O índice, referente a 2016, é calculado com base no desempenho das cidades com base em três áreas: educação, saúde e emprego e renda. Entre elas, as duas primeiras alcançaram índices considerados de 'alto desenvolvimento' - acima de 0,8 pontos.

O maior destaque é, justamente, na educação, que atingiu pontuação 0,9723 - quanto mais próximo de um, melhor é o resultado. Entre os quesitos que ajudam a compôr a nota estão o atendimento em educação infantil, a existência de professores com ensino superior e a média de horas-aula diária no ensino fundamental, além da qualidade do ensino.

O resultado mostra um esforço muito grande na gestão pública, ainda mais se considerarmos que 2016 foi um ano em que a economia decresceu 3,5%", Cíntia Agostini, economista e doutora em Desenvolvimento Regional.

Para a economista e doutora em Desenvolvimento Regional Cíntia Agostini, o resultado positivo na área é conquistado por municípios que investem mais em educação do que o exigido por lei. Ao analisar o desenvolvimento significativo de Mato Leitão no índice Firjan, que em 2015, estava na 81ª posição no Estado, e chegou à 4ª colocação, em 2016, Cíntia atribui o crescimento às ações do governo municipal. "O que se pode perceber é que houve uma grande melhoria por meio de ações e políticas públicas junto à comunidade."

Proximidade

De acordo com ela, a "receita" para os índices positivos está na proximidade entre Poder Público e população. "É mais fácil gestionar em municípios menores, quando se faz bom uso dos recursos e se tem um olhar voltado à comunidade, pois se está mais próximo dela e a sociedade consegue interferir na gestão, apontando as demandas", explica a economista.

Foto: Juliana Bencke / Folha do MatePara Dulce e Marisa, é possível perceber as melhorias do município, ano a ano
Para Dulce e Marisa, é possível perceber as melhorias do município, ano a ano

Para quem sente os reflexos dos desenvolvimento da cidade, o bom desempenho de Mato Leitão em avaliações como o índice Firjan confirma o orgulho de viver na Cidade das Orquídeas. Assim como Lia, a proprietária de padaria Dulce Rosa, 44 anos, e a atendente Marisa Heinen, 41 anos, consideram Mato Leitão um lugar tranquilo e bom de morar. A cada ano que passa, percebemos que se desenvolve mais", considera Marisa. "Aqui é bom para criar um filho, temos fácil acesso aos serviços e é fácil se deslocar para Venâncio Aires ou Lajeado, que são cidades maiores", diz Dulce.

Recorte

A economista Cíntia Agostini observa que, como qualquer indicador, o índice Firjan é calculado levando em conta determinados aspectos, com um recorte do todo, que acaba desconsiderando outras questões. "É difícil medir qualidade, mas uma forma de conseguir entender é a partir de alguns indicativos. No quesito de emprego e renda, por exemplo, não se considera a informalidade, muitas pessoas trabalham, mas não com empregos formais, e acabam não sendo consideradas nesse levantamento", comenta.

Trabalho para gerações

Para a ex-prefeita Carmen Goerck, gestora do Município em 2016, o resultado no índice Firjan é fruto de um trabalho focado em melhorar a qualidade de vida da população. Entre os projetos que ajudaram a melhorar a avaliação da cidade na área educacional, ela cita a ampliação física das instituições de ensino, que possibilitaram atender a demanda por vagas na educação infantil; a criação da Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Ireno Bohn, e o incentivo à qualificação dos professores, por meio de alteração no plano de carreira e projetos de formação.

Na saúde, Carmen lembra a importância do trabalho de prevenção, a implantação de uma segunda equipe da Estratégia Saúde da Família (ESF) e a instalação de academias ao ar livre. "Acredito que a preocupação deve ser fazer uma gestão para gerações e não pensando apenas na eleição. Em muitos projetos, os reflexos aparecem depois de muito tempo. Fico muito satisfeita de ver nosso município nessa posição de destaque", comenta.

Foto: Juliana Bencke / Folha do Mateom a 4ª posição do estado no índice Firjan, município de 4,2 mil habitantes ancora o crescimento nos serviços públicos de educação e saúde
Com a 4ª posição do estado no índice Firjan, município de 4,2 mil habitantes ancora o crescimento nos serviços públicos de educação e saúde

O atual prefeito, Carlos Bohn, entende o desempenho de Mato Leitão no índice de desenvolvimento como resultado de um trabalho histórico e de uma construção coletiva. "É gratificante ver esses números, e isso aumenta a responsabilidade de manter esses índices e avançar."

Um dos aspectos destacados por ele é o atendimento de todos os alunos da educação infantil e de pré-escola até o 5º ano do ensino fundamental, em tempo integral. "Temos superado todas as metas do plano de educação. Além disso, as escolas têm um ensino de qualidade."

O prefeito ainda ressalta que, diferentemente da maioria dos municípios, em Mato Leitão, toda a educação é pública. Além da Emei Vó Olga e da Emef Ireno Bohn, a Emef Santo Antônio de Pádua e o Colégio Estadual Poncho Verde atendem os estudantes mato-leitoenses. "Não temos nenhuma escola particular ou comunitária. Tudo é público e gratuito. Da mesma forma, na saúde, a população tem acesso a atendimentos, praticamente, com todo sistema público."