fechar

Câmara: o que foi tema de debate na sessão de ontem à noite

por: Carlos Dickow
Data: 05/02/2019 | 17:31

BRUMADINHO - Vereadores e cidadãos que acompanhavam a sessão da Câmara desta segunda-feira, 4, permaneceram em silêncio por um minuto, respeitando homenagem às vítimas da barragem de Brumadinho, em Minas Gerais. Números atualizados ontem apontam para 134 mortes confirmadas (120 identificadas), 199 desaparecidos e 192 resgatados.

PICADA REVÓLVER - Moradores da localidade de Picada Revólver, no interior de Venâncio Aires, participaram da sessão da Câmara desta segunda-feira, 4. A intenção deles era chamar atenção dos vereadores para a necessidade de melhorias na comunidade, especialmente nas estradas de acesso. E deu certo. Ou, pelo menos, saíram do Legislativo confiantes de que as máquinas vão chegar em breve. 'Se as máquinas não aparecerem esta semana, me avisem que eu vou cobrar da Administração, pois sabemos, por relatos de vocês, que não passa uma máquina por lá há dois anos', comentou Adelânio Ruppenthal (PSB). Ezequiel Stahl (PTB) e Eduardo Kappel (Progressistas) também afirmaram que a localidade será contemplada em breve.

LIBRAS - Izaura Landim (MDB) aproveitou seu tempo de comunicação na tribuna para ressaltar a importância da Língua Brasileira de Sinais (Libras). A vereadora destacou que, em conversa com o prefeito Giovane Wickert (PSB), o chefe do Executivo garantiu que o Município disponibilizará um intérprete de Libras em breve. A intenção é nomear um profissional após realização de concurso público, que pode acontecer no segundo semestre deste ano.

CAMINHÓDROMO - Helena da Rosa (MDB) criticou mais uma vez o estado de conservação do caminhódromo do Acesso Grão-Pará. Ele disse na tribuna que costuma utilizar a área com frequência para corridas e caminhadas e que, 'ultimamente, está cada vez pior, de tanto capim e terra no trajeto'. A vereadora pediu providências em relação ao espaço e também lembrou que Venâncio Aires está ganhando um novo caminhódromo, no Acesso Leopoldina.

INSEGURANÇA - Sid Ferreira (PDT) pediu mais atenção dos órgãos de segurança para a onda de criminalidade que assola Venâncio Aires. Ele destacou, principalmente, a insegurança dos cidadãos nos principais espaços públicos da cidade, as praças Católica e Evangélica. 'Vou encaminhar ofício para a Brigada Militar, pois os espaços públicos estão ocupados por meliantes ou gurizadas que ficam apenas usando drogas', declarou. Ele solicitou que sejam disponibilizadas câmeras de videomonitoramento nestes locais, para garantir a segurança da população. Também salientou a necessidade de equipamentos de vigilância nos distritos do interior: 'Como isso, teremos a possibilidade de ações mais rápidas dos órgãos de segurança'.

HEMODIÁLISE - O vereador Adelânio Ruppenthal (PSB) afirmou que não vai desistir até que a Prefeitura viabilize transporte de pacientes de Linha Julieta para sessões de hemodiálise junto ao Hospital São Sebastião Mártir (HSSM). Nesta segunda-feira, 4, na tribuna da Câmara, tendo em mãos um ofício no qual constava resposta do secretário de Saúde, Ramon Schwengber, sobre a possibilidade de atendimento da sua demanda, Ruppenthal declarou que o titular da pasta 'mentiu quando esteve nesta Casa'. No documento, a informação de Schwengber é de que a Saúde e as servidoras do setor de hemodiálise decidem juntos sobre quem tem direito ao transporte. 'Aqui na Câmara, ele disse que quem determina as prioridades é o órgão de hemodiálise de dentro do hospital', relembrou. Em entrevista à Folha do Mate, as profissionais do setor afirmaram que não têm qualquer influência na disponibilização do transporte. Elas dizem que informam a situação de cada pacientes e a Saúde é quem decide, pois se a palavra final coubesse a elas, todos os pacientes teriam o transporte de ida e volta.