fechar

Caso dos áudios de Kappel na Promotoria do bairro Tristeza, em Porto Alegre

por: Carlos Dickow
Data: 12/10/2017 | 08:00
Foto: Carlos Dickow / Folha do MatePromotor João Afonso da Silva Beltrame continua designado para atuar no caso
Promotor João Afonso da Silva Beltrame continua designado para atuar no caso

O promotor João Afonso da Silva Beltrame se reuniu, ontem, com representantes da Promotoria de Justiça do bairro Tristeza, em Porto Alegre, para tratar do remanejamento das investigações sobre a conduta do advogado e vereador venâncio-airense Eduardo Kappel, envolvido em denúncia a partir de áudios onde supostamente negocia a facilitação de sentença de soltura para um condenado a 36 anos por tráfico de drogas.

Conforme Beltrame, a medida está sendo tomada porque 'o local de eventual conduta criminosa é que determina a competência do julgamento'. Dessa forma, segundo o promotor, em virtude de as conversas terem sido gravadas na casa do condenado - Ademar Fracalossi -, as diligências passam a ser de responsabilidade do Ministério Público (MP) de Porto Alegre. Ele salientou, no entanto, que segue designado para atuar no caso e que vai contribuir em pedidos de diligências e outras ações do procedimento investigatório.

Beltrame confirmou, ainda, que já ouviu duas pessoas envolvidas no caso: o próprio Fracalossi, que em um áudio cobra de Eduardo Kappel a devolução de R$ 20 mil pagos antecipadamente - de um total de R$ 200 mil que teriam sido acertados para a articulação junto ao Tribunal de Justiça (TJ) -, e do filho dele, que gravou conversa com o advogado e vereador comentando sobre a frustração do pai por não ter tido a liberdade concedida. 'Os dois falaram basicamente o que já foi noticiado pelo jornal', comentou o promotor.

DILIGÊNCIAS - O próximo a ser ouvido é o desembargador Rinez da Trindade, irmão materno de Eduardo Kappel e que foi citado pelo investigado como elo para a facilitação da sentença. Trindade nega participação em eventual esquema e afirma que cortou relações com o irmão. Kappel, de acordo com Beltrame, será o último a ser ouvido, 'depois que os demais já tiverem prestado depoimento e o MP as provas forem reunidas'. O promotor afirmou ainda que mais pessoas podem ser ouvidas no processo, o que vai ocorrer se, a partir das diligências, surgirem novos envolvidos. 'Alguma coisa segue em sigilo, não posso abrir tudo', disse.

COMISSÃO DE ÉTICA

? Presidente da Comissão de Ética da Câmara Municipal de Vereadores de Venâncio Aires, Ezequiel Stahl (PTB) afirmou ontem que ainda não teve acesso à representação feita pelos vereadores do PDT - Tiago Quintana, Sid Ferreira e Ana Cláudia do Amaral Teixeira - que pede a saída de Eduardo Kappel da função de ouvidor do Legislativo e também afastamento do parlamentar até que sejam encerradas as investigações do MP e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) sobre o caso dos áudios.

? Stahl disse que vai consultar a assessoria jurídica da Casa no sentido de sabe se dá andamento ao pedido ou aguarda o resultados dos procedimentos instaurados pela Polícia Civil e Ministério Público, que acabarão no Judiciário. 'O caso ocorreu em Porto Alegre, foram da circunscrição do nosso município. Além disso, o cara que falou com ele é de Santa Catarina, por isso vamos analisar se fazemos algo ou esperamos pelo Judiciário. Se houver alguma consequência, a gente cumpre na Câmara', comentou.