fechar

Lisiane Röhsler Model: do sonho de ser professora à emoção de alfabetizar

por: Juliana Bencke
Data: 06/07/2018 | 11:30

Filha de professora, Lisiane Röhsler Model, 44 anos, nunca teve dúvida sobre qual profissão seguir. "Acho que tive vontade de ser professora desde que nasci", brinca a moradora do bairro Morsch, que já soma 22 anos de experiência em sala de aula. "Quando tinha 15 dias de vida, minha mãe foi para a faculdade de férias em Passo Fundo e me levou com ela. Minha madrinha foi junto para ajudar a cuidar de mim enquanto ela estudava", conta. 

Foto: Juliana Bencke / Folha do MateLisiane com os alunos da turma de 2º ano da Emef Otto Brands, em processo de alfabetização
Lisiane com os alunos da turma de 2º ano da Emef Otto Brands, em processo de alfabetização

Histórias como essa ajudam a explicar a paixão de Lisiane pelo ato de ensinar. "Meu sonho sempre foi ser alfabetizadora. Isso me realiza", garante ela, que leciona para a turma de 2º ano na Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Otto Gustavo Daniel Brands. "Ser alfabetizadora me realiza."

Ainda durante o curso de Magistério, no Colégio Nossa Senhora Aparecida, Lisiane já aplicava atividades para a irmã mais nova, que estava na pré-escola, auxiliando na alfabetização. 'Quando fiz o estágio, fui a única aluna a escolher uma turma de 1ª série para dar aula. Era a turma na qual estava minha irmã', lembra.

Foto: Arquivo pessoal / DivulgaçãoAproveitar o tempo livre com a família é o passatempo preferido de Lisiane
Aproveitar o tempo livre com a família é o passatempo preferido de Lisiane

Apesar de já ter atuado em outras séries e, inclusive, com turmas de Educação de Jovens e Adultos (EJA), Lisiane tem o trabalho com séries iniciais - especialmente com 2º anos - com o preferido. O motivo? Para ela, não há emoção que se compare à do momento em que os alunos conseguem ler, pela primeira vez. "É mágico quando eles conseguem decodificar as letras e a criar autonomia para atividades de leitura e escrita."

Formada em Pedagogia, Lisiane atua na escola Otto Brands há cerca de 13 anos. "A maior parte da minha trajetória profissional foi na Otto. Tenho um vínculo com a escola e isso faz a diferença, porque se trabalha com prazer e compromisso", considera.

Desafios

Foto: Mimos Foto & Carinho / DivulgaçãoLisiane e a filha Anajara, de 11 anos
Lisiane e a filha Anajara, de 11 anos

Antes de ingressar no estabelecimento de ensino do bairro Brands, entretanto, a professora iniciou o trabalho em escolas unidocentes, na região serrana de Venâncio Aires, em 1996. Enquanto lecionou em Linha Alto Paredão, por exemplo, em função da distância da área urbana do município, precisava morar na localidade, na casa de uma família. "Ia na segunda e voltava na sexta-feira. Na escola, fazia de tudo: era professora, diretora, faxineira e merendeira. Foi um aprendizado muito grande. Apesar de ter sido difícil, foi uma base muito importante para me firmar na profissão."

Quando atuou na escola de Linha América, Lisiane precisava percorrer, a pé, oito quilômetros por dia. "Caminhava quatro quilômetros para ir e quatro para voltar", lembra. Foi nessa época em que aconteceu uma das situações mais marcantes para ela. 

Quando voltava do colégio e caminhava em direção ao ponto de ônibus, ouviu urros de um leão baio e cachorros latindo, em um trecho do caminho onde havia um mato fechado. "A vizinhança e os próprios alunos comentavam que tinha um leão baio que andava pelas propriedades. Fiquei com muito medo", relembra. 

Sem coragem de cruzar o trecho de onde vinham o barulho, Lisiane decidiu voltar parte do caminho e passar por uma propriedade rural. "Fiz a volta, para não ter que passar por lá. Não havia telefone na época, e eu precisava pegar o ônibus para voltar para casa. Na época, fiquei conhecida como a 'professora do leão'. Riam de mim porque, para os moradores da localidade, já era algo costumeiro, mas para mim foi assustador", recorda, entre risos.

Trajetória

Natural de Vila Deodoro e mais velha de três irmãos, Lisiane morou na localidade até 1995. Após casar-se com Najar Model, mudou-se para a área urbana de Venâncio Aires e, no ano seguinte, após ser aprovada em concurso, passou a lecionar na rede municipal de ensino. A professora é mãe de Anajara Model, 11 anos, estudante do 6º ano da escola Otto Brands. Além de lecionar, tem paixão por artesanato e confecciona itens de crochê, tricô, bordado, pintura em tecido e dobraduras. "Quando vejo algo bonito, quero aprender a fazer. Gosto de fazer tudo o que é trabalho manual", compartilha.