fechar

Protesto em Vale Verde reivindica fim da extração de areia no Jacuí

Liderados pela ONG APTA, frequentadores e moradores do Balneário Monte Alegre querem o fim da mineração e a abertura do rio Guaíba

por: Claudio Froemming | Edição: Fernando Uhlmann
Data: 25/03/2015 | 11:27

A Associação para Pesquisas Técnicas Ambientais (Ong APTA) com sede em Canoas, promoveu um protesto no balneário Monte Alegre na manhã do sábado, 21, que reuniu frequentadores e moradores da praia e contou com o apoio do presidente da Associação dos Protetores do Balneário Monte Alegre, Marco Limberger.

Conforme o presidente da Organização não governamental, Clóvis Braga, em 2006 eles ingressaram com uma ação civil pública contra as empresas, Esmarja, Somar e Aro Mineradora, Fepam e DNPM denunciando os danos no rio Jacuí por conta da mineração. Afirmou que só existem três balneários ainda com areia ao longo do Jacuí, que estão localizados nos municípios de Charqueadas, General Câmara e Vale Verde.

O objetivo do protesto segundo a APTA é parar por completo ou diminuir consideravelmente a extração, para que a areia do rio retorne com o passar dos anos recompondo a natureza. A Ong também é a favor da liberação da extração de areia no rio Guaíba, que está comprovadamente assoreado, e que desafogaria o rio Jacuí.

'Sendo assim, todas essas empresas poderiam transferir sua mineração para lá, sem prejuízos financeiros', destacou o presidente da ONG, Clóvis Braga.

O presidente da Associação dos Protetores do Balneário Monte Alegre, Marco Limberger disse que no ano passado ainda havia areia na praia, mas somente uma parte do que tinha há anos atrás, e que neste ano ela diminuiu mais ainda.

Empreendimentos prejudicados

O comerciante Edson de Moraes Lopes disse que comprou um bar há dois anos no balneário e que no ano passado o movimento foi bom, mas que nesse ano foi fraco, tendo uma redução de 60 a 70% no número de frequentadores. 'Esse ano não apareceu nada de areia, sendo assim os veranistas não tinham como tomar sol, colocar cadeiras e se banhar com mais espaço. Nem a guarita dos salva-vidas foi colocada na água neste ano, um fato inédito. Claro que choveu muito nesse verão e o nível do rio esteve sempre acima do normal, mas já percebemos uma diminuição na areia', lamentou o comerciante.