fechar

Em agosto, Venâncio Aires perdeu 1.480 empregos

por: Carlos Dickow
Data: 21/09/2018 | 22:37

O fim da safra de tabaco foi decisivo, mais uma vez, para que a Capital Nacional do Chimarrão, no mês de agosto, registrasse fechamento de vagas de trabalho com carteira assinada. As demissões de trabalhadores temporários chegaram ao ápice no mês passado e influenciaram diretamente para que o saldo negativo ficasse em 1.480 postos. Somados todos os setores verificados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), foram 629 contratações e 2.109 demissões em Venâncio Aires em agosto.

A informação não é boa, logicamente, mas é necessário ressaltar que o mês, historicamente, encerra com desempenho negativo: é assim desde 2003, quando o Caged, que é um 'braço' do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), passou a monitorar a oscilação do emprego nos municípios brasileiros. No ano passado, foram fechadas 1.176 vagas; em 2016, o saldo negativo foi de 1.192 postos; já em 2015 a cidade perdeu, no oitavo mês do ano, 1.852 empregos com carteira assinada. O desempenho de agosto de 2008 foi o pior da série histórica - em apenas 30 dias, a Capital Nacional do Chimarrão reduziu 2.681 vagas.

ANO E 12 MESES - No ano, Venâncio Aires ainda tem geração positiva de postos de trabalho. De janeiro a agosto foram 9.699 admissões e 7.217 desligamentos, resultando em saldo 'azul' de 2.482 empregos. Nos últimos 12 meses, no entanto, o saldo é negativo, de 522 vagas. Neste período, foram 11.728 contratações e 12.250 demissões.

ESTADO E PAÍS - No Rio Grande do Sul, agosto também foi de resultado negativo. As 88.380 contratações e as 92.408 demissões apontaram para o fechamento de 4.208 postos. No ano, o desempenho é positivo, com 20.021 vagas geradas a partir de 746.980 admissões e 726.859 desligamentos. No país, 110.431 foi o número de empregos gerados em agosto - no período foram 1.353.422 contratações e 1.242.991 demissões.