fechar

Crise: saída para hospitais é buscar financiamentos

por:
Data: 25/08/2015 | 07:15

A crise financeira que assola o Rio Grande do Sul vem afetando gravemente o setor da saúde pública. O Governo Estadual já está com mais de R$ 210 milhões em recursos atrasados para hospitais filantrópicos, beneficentes e santas casas. Ontem, o governador José Ivo Sartori anunciou que o caminho é as instituições buscarem empréstimos junto às instituições financeiras com que trabalham.

O acordo foi celebrado em reunião no gabinete do governador, no Palácio Piratini, com a presença do secretário da Saúde, João Gabbardo dos Reis, da Federação das Santas Casas, Francisco Soares Ferrer, e integrantes da diretoria da entidade. 

Os 245 hospitais filantrópicos devem estar com os recursos em caixa em até 40 dias, possibilitando aos administradores a pagar o 13º salário dos seus funcionários. Os hospitais poderão contratar o empréstimo com juros subsidiados, aos mesmos praticados pelo Funafir (Fundo de Apoio Financeiro e de Recuperação dos Hospitais Privados, sem fins lucrativos e Hospitais Públicos), e o Estado garante o pagamento. 

A quitação do financiamento será em 36 parcelas - de janeiro de 2016 a dezembro de 2018. O Estado criará um incentivo para cobrir o custo do financiamento.

Para o administrador do Hospital São Sebastião Mártir, Marcelo Borges, a alternativa ainda é duvidosa. 'Eu estou aguardando ainda uma posição oficial sobre o que foi discutido na reunião, mas eu trabalho nessa área há muito tempo e sou muito descrente com essas coisas. O que foi dito é muito bacana, mas o que realmente vai ser implementado, o que vai ser bom aos hospitais, porque se for só um empréstimo não sei qual vai ser a vantagem, vai ter garantias, não é como antigamente, hoje para um banco dar empréstimo vai querer garantia. Se for em cima dos financiamentos que os hospitais já tem, não sei quantos terão direito a essa nova linha de crédito. Então temos que avaliar em cima de coisas concretas, não foi passado nada por parte da Federação então, temos que ver o que planejar daqui pra frente.'

Ainda segundo o administrador da casa de saúde de Venâncio, a situação atual do HSSM é crítica. 'Temos discutido bastante com a Prefeitura a situação atual do hospital. Temos tido prejuízos todos os meses e quinta-feira vamos sentar para conversar sobre esses prejuízos e o que a Prefeitura pode nos ajudar.' Atualmente a dívida do Estado com o Hospital São Sebastião é superior a R$1,4 milhão. 

Já o presidente da Federação das Santas Casas avaliou como 'extremamente positiva' a solução encontrada pela gestão Sartori. 'O financiamento é a forma de diminuir parte das dificuldades. É um passo importante', afirmou Ferrer. Ele ressaltou a 'sensibilidade, a competência de estabelecer prioridades e a determinação de fazer da gestão Sartori'.

Na reunião ainda foi nomeado um Comitê para composição deste financiamento, composto por técnicos da Federação e da Secretaria Estadual da Saúde. Na sexta-feira, 28, será realizado uma Assembleia Geral para que o assunto seja detalhado aos hospitais.