fechar

Polícia já sabe quem é o autor da execução

por: Folha do Mate
Data: 20/11/2012 | 10:30

O oitavo homicídio do ano registrado em Venâncio Aires é uma execução. Esta é a conclusão da Polícia Civil e dos profissionais do Instituto Geral de Periciais (IGP), que fizeram os levantamentos no local. Marcelo da Rosa, o Tielo, 31 anos, foi atingido por nove tiros disparados de uma pistola calibre 9 milímetros. O fato aconteceu segunda-feira à tardinha, no bairro Battisti. Moradores confidenciaram à polícia quem é o autor da execução, mas alguns ainda se negam a depor, com medo de represálias.


Esta é a terceira execução do ano no município. Para a Polícia Civil, o caso pode ter ligação com o tráfico de drogas ou outra questão que é investigada. No local, os brigadianos que mantinham a casa isolada à espera dos peritos receberam uma informação de que a vítima teria tido uma relação amorosa com uma companheira ou ex-companheira do acusado do crime, que até poucos dias estava preso.


Extraoficialmente, Tielo apresenta 11 perfurações no corpo. São cinco nas costas, três no braço esquerdo, uma no braço direito, uma no pescoço e uma no rosto. O número total de tiros que o atingiram será confirmado pela necropsia, feita no Departamento Médico Legal de Santa Cruz do Sul.


Para o delegado Felipe Staub Cano, que acompanhou a perícia, dois destes tiros devem ter transfixado o corpo, já que a arma utilizada é de grosso calibre. Ele se baseia no fato dos peritos terem recolhido nove cápsulas calibre 9 mm no chão da varanda. A arma é de uso restrito das formas policiais e não foi localizada.


EXECUÇÃO


Segundo o que foi apurado pela Brigada Militar, que chegou ao local minutos após o fato, o crime foi praticado por volta das 18h. Tielo estaria na rua 5, no Loteamento Novo Horizonte, quando foi surpreendido por duas pessoas que tripulavam um automóvel Gol vermelho. Um dos ocupantes desceu e a vítima correu em direção a casa de um parente. Testemunhas contaram à polícia que o matador deu o primeiro tiro e parou. Em seguida, efetuou diversos outros disparos, foi até o Gol e fugiu do local com seu comparsa.


A maneira de agir reforça a tese de execução. Para a polícia, o assassino deu o primeiro tiro e, com a vítima já caída, deu os demais. A tese é reforçada com as marcas que ficaram no piso onde a vítima caiu. "Há diversos buracos no azulejo, provocados pelos projéteis, típico de uma execução", revelou o delegado Cano.


Apesar do crime ter ocorrido durante o dia, a perícia só foi finalizada por volta das 22h30min. Cerca de cem pessoas se aglomeraram ao redor da casa onde ocorreu o crime e permaneceram até a retirada do corpo, feita por uma funerária. Moradores foram indagados sobre a autoria do crime, mas naquele momento todos se mantiveram em silêncio.

 

INVESTIGAÇÕES


Ontem pela manhã, agentes do Setor de Investigações (SI) voltaram ao local do crime. Foram refazer os últimos passos de Tielo antes da execução. Descobriram que tudo começou nas imediações da olaria que existe no bairro Battisti. Lá os matadores se encontraram com Tielo e deram dois tiros na sua direção, mas não o atingiram.

Ele conseguiu fugir e correu em direção à casa da sua irmã. Provavelmente com uma moto - e com apoio do Gol vermelho - os matadores o perseguiram e conseguiram atingi-lo mortalmente.


Ontem à tarde, vizinhos e outros moradores do Loteamento Primavera prestaram depoimento na Delegacia de Polícia. O teor dos relatos é mantido em sigilo. Segundo o investigador Paulo Ullmann, a polícia segue uma linha de investigação e já sabe quem é o autor da execução. O corpo de Tielo foi sepultado ontem à tarde, no cemitério Vila Rica.