fechar

Como objetivo de vida, um legado para a comunidade

por: Ana Flávia Hantt
Data: 07/04/2017 | 08:30

Na vida de Ilmor Conceição Dörr, 41 anos, o trabalho à frente de uma importante instituição gaúcha, se mescla com uma forte atuação comunitária. Ele, que é gerente da unidade local da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan), também é presidente da Associação de Moradores do Bairro Dietrich.

Morador da Santa Tecla há mais de quatro décadas, Ilmor tem uma grande ligação com essa região da cidade, onde cresceu, estudou, constituiu família, e hoje cria a filha Amanda, 13 anos, ao lado da esposa Carine. Com uma infância de origem humilde, comenta que não imaginava que chegaria onde está hoje, especialmente em relação aos estudos: já é graduado em Administração pela Universidade de Santa Cruz do Sul, e conclui neste ano uma segunda graduação, em Gestão de Recursos Humanos. 'Eu me sinto uma pessoa realizada. Independente do que aconteça de agora para a frente, eu já consegui chegar onde eu queria', salienta.

Ilmor conta que trabalha com carteira assinada desde os 14 anos, e que ao longo de sua trajetória profissional, teve passagens por empresas metalúrgicas de Venâncio Aires, até que, em 2002, após ser aprovado em um concurso público, ingressou na Corsan. Na instituição, coordena um quadro funcional de cerca de 30 funcionários, os quais se dividem entre os setores administrativos e operacional. No seu dia a dia, além de dar conta das questões diretamentes relacionadas ao abastecimento de água e saneamento, os quais atendem uma população urbana de 50 mil pessoas, também contribuiu com outras demandas do município, como obras ou solução de problemas ligadas ao setor público.

Como lema de vida, afirma que seu objetivo é deixar um legado para a sociedade. 'Eu acho que o que mais tem valor é o reconhecimento da pessoa pelo trabalho que ela desenvolve dentro da comunidade, e não há dinheiro que pague isso', comenta.

Foto: Ana Flávia Hantt / Folha do MateIlmor é gerente da unidade da Corsan em Venâncio Aires
Ilmor é gerente da unidade da Corsan em Venâncio Aires

FOLHA DO MATE - Como se deu o seu envolvimento com a associação de moradores do bairro?

ILMOR DÖRR - Foi por ver a necessidade das pessoas que buscam alternativas, e não conseguem ter acesso aos órgãos que podem atender algumas demandas. Estou oito anos como presidente da Associação de Moradores, e uso meu tempo pessoal, de fim de semana, para tentar conseguir alguma coisa, buscando a melhoria do ambiente onde eu vivo. Quando eu era criança, não haviam estradas definidas, o esgoto era a céu aberto, muito mato... hoje 90% do nosso bairro já está todo pavimentado. É um pensamento de tentar transformar o lugar onde a gente vive, e por isso eu quis ajudar.

Foto: Ana Flávia Hantt / Folha do MateNo fim do ano, Ilmor participa como Papai Noel do bairro Dietrich
No fim do ano, Ilmor participa como Papai Noel do bairro Dietrich

À frente da Corsan, você também se preocupa em favorecer o trabalho junto a comunidade. Como isso ocorre?

DÖRR - Participamos de eventos da comunidade, como o passeio ciclístico (que irá ocorrer neste sábado), onde distribuiremos água para as pessoas, ou em ações como o 'Viva o Taquari Vivo' (ação ambiental que ocorreu em Vila Mariante no mês de março). A Corsan trabalha de portas abertas permanentes para receber, de forma possível, a comunidade e também propostas de patrocínio. Neste ano, por meio da Lei Rouanet, a Corsan contribuiu com um valor de R$ 73 mil, e garantiu a realização do Carnaval em Venâncio Aires. A Corsan contribui ainda em questões ambientais com obras no município, como a Estação de Tratamento, que está em fase de conclusão, faltando apenas alguns detalhes. Em outras frentes também, como junto a Defesa Civil, ou nossa participação na audiência pública que buscou uma solução para o problema de saneamento do presídio.

Quais são os maiores desafios relacionados à água em Venâncio Aires?

DÖRR - A gente se preocupa muito com a disponibilidade da água com qualidade. A gente sabe que nossa captação é praticamente exclusiva do Castelhano, então uma preocupação é ter uma barragem, uma reserva, alguma forma de suprir os períodos de estiagem. Outra questão é o fato de Venâncio Aires ser o quarto maior poluidor da Bacia Taquari-Antas, e sabemos que não é uma empresa que larga estes resíduos, isto é a comunidade em geral. É papel da Corsan fazer esse tratamento do esgoto, mais a partir do momento que tivermos a Estação de Tratamento funcionando, as pessoas terão que aderir ao sistema. Não adianta termos uma estação de tratamento, se o esgoto continuar sendo jogado no Castelhano.

A Corsan é apoiadora do projeto Folheando. Qual é a importância de trabalhar questões relacionadas à água nas escolas?

DÖRR - A ideia principal é começar a mudança da base, a criança que leva essa cultura. A pessoa que está inserida em um ambiente poluído, degradado, muitas vezes não dá valor aos pequenos detalhes, mas a criança não, ela percebe logo, e vê que aquela condição tem que ser mudada. Essa parte ambiental, em que a Corsan participa com palestras, é muito importante, para desenvolver esta questão. A gente também recebe visitas na estação de tratamento, turmas com alunos de quatro, cinco anos, que já estão participando.