fechar

Cidades do litoral Norte vão receber obras de água e esgoto

Investimentos somam R$ 222 milhões para melhorar e ampliar os sistemas de abastecimento de água e de coleta e tratamento de esgoto

por: Governo do Estado
Data: 12/01/2018 | 19:00  Atualizado: 12/01/2018 | 19:01

Uma boa notícia para os moradores de sete municípios gaúchos foi confirmada nesta semana. Capão da Canoa, Imbé, Tramandaí, Xangri-Lá, no Litoral e também as cidades de Pedras Altas, Rio Grande e Gravataí vão receber um investimento de R$ 222 milhões para obras de água e esgoto.

O recurso faz parte do Programa Saneamento para Todos, do Governo Federal. O contrato de financiamento foi assinado entre a União, que entra com R$ 210,6 milhões, e o Estado, a quem cabe uma contrapartida de R$ 11,4 milhões, provenientes da Corsan.

Foto: Luiz Chaves / Palácio Piratini Sartori disse que, mais uma vez, a união de esforços entre os governos federal, estadual e municipais permite que o Rio Grande do Sul avance
Sartori disse que, mais uma vez, a união de esforços entre os governos federal, estadual e municipais permite que o Rio Grande do Sul avance

A finalidade é melhorar e ampliar os sistemas de abastecimento de água e de coleta e tratamento de esgoto. O contrato foi assinado no Palácio Piratini pelo governador José Ivo Sartori, o ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun, o vice-governador José Paulo Cairoli, o secretário de Obras, Saneamento e Habitação, Fabiano Pereira, o diretor-presidente da Corsan, Flávio Ferreira Presser, e o diretor-regional da Caixa Econômica Federal, Hélio Luiz Duranti.

Sartori disse que, mais uma vez, a união de esforços entre os governos federal, estadual e municipais permite que o Rio Grande do Sul avance nas mudanças estruturais. "Universalizar e melhorar os serviços públicos de água e esgoto é um dever nosso e um grande desafio. Somente 14% da população gaúcha tem esgoto coletado e tratado', afirmou.

O ministro Marun ressaltou a importância do investimento. 'Dizem que colocar dinheiro em água, esgoto e saneamento básico não dá voto. Eu sempre ouvi isso. Mas dá saúde. E o nosso governo, assim como o governador Sartori, tem a coragem de fazer o que precisa ser feito'.

Segundo a Corsan, os recursos já estão garantidos e serão liberados durante a execução das obras. A meta da companhia é fazer as licitações - para saber quais empresas vão realizar os serviços - ainda neste semestre e começar os trabalhos na segunda metade do ano. Entre as melhorias previstas, estão, por exemplo, a implantação de redes coletoras de esgoto, a instalação de redes de bombeamento e a ampliação do sistema de esgotamento sanitário.

O diretor-presidente da companhia, Flávio Ferreira Presser, falou do impacto para a população e as cidades. 'Estamos investindo essencialmente em redes de esgoto sanitário. Dos sete municípios contemplados, quatro ficam no Litoral. Isso faz com que a região possa crescer, se desenvolver, pensar em novas construções. Em segundo lugar, isso dá balneabilidade, atrai mais turistas. Então, tem o fato econômico, social, enfim, as vantagens do saneamento são imensas', explicou.

O secretário de Obras, Fabiano Pereira, citou outros dois aspectos: '"Não estamos investindo apenas em fornecimento de água e tratamento de esgotos. Estamos investindo em saúde e no meio ambiente. A cada um real investido em saneamento hoje, poupamos quatro reais no tratamento de doenças no futuro".

Confira as cidades e os sistemas onde serão aplicados os recursos

- Capão da Canoa - R$ 68 milhões: bacias de infiltração da Estação de Tratamento de Esgoto Guarany 2, com dois módulos de 128 litros por segundo; redes coletoras de esgotos e 10 bombeamentos com seus respectivos emissários de recalque.

- Gravataí - R$ 7 milhões: implantação de adutora de água tratada.

- Imbé - R$ 23,3 milhões: implantação de 44 km de redes coletoras para atender 4.188 economias, bem como a execução das respectivas elevatórias e emissários por recalque.

- Pedras Altas - R$ 3 milhões: implantação do sistema de esgotamento sanitário, composto de redes, estações de bombeamento e tratamento.

- Rio Grande - R$ 84,5 milhões, sendo R$ 49,4 milhões: implantação de redes coletoras, estação de bombeamento nos bairros Cidade Nova, Miguel de Castro Moreira, Cohab 1 e 2, e Ernesto Buchols. Para implantar a ETE Molhes, no Cassino, serão utilizados R$ 22,5 milhões e outros R$ 12 milhões para o sistema de esgotos do bairro São Pedro.

- Tramandaí - R$ 16,5 milhões: execução de 30 km de redes coletoras de esgotos, beneficiando 3.570 economias, bem como a instalação de duas estações de bombeamento.

- Xangri-Lá - R$ 19,6 milhões: execução de 26 km de redes coletoras, beneficiando 2.434 economias, bem como a execução das elevatórias de esgotos, visando atender a praia de Atlântida e a região da Avenida Paraguassu em direção à av. Beira Mar.