fechar

Da piscina de casa, à oportunidade de empreender

À frente da Vanderlei Piscinas, Vanderlei Lermen de Macedo soma três anos de trabalho, e cerca de 200 unidades vendidas.

por: Ana Flávia Hantt
Data: 07/01/2017 | 06:30

Um misto de vontade, acaso e muito trabalho. Assim pode ser definida a história de Vanderlei Lermen de Macedo, 47 anos. À frente da Vanderlei Piscinas há cerca de três anos, o empreendedor nunca havia imaginado trabalhar nesta área.

Atuando como vendedor em uma empresa do segmento de tintas e revestimentos, Vanderlei sonhava em ter um negócio próprio, que pudesse lhe trazer maiores rendimentos ao fim do mês. Cogitou algumas áreas, como agropecuária e beleza, mas foi por acaso que descobriu a venda de piscinas como um empreendimento.

Ele, que trabalhava em Santa Cruz do Sul, passou um dia por uma loja de piscinas e resolveu se informar sobre as condições para instalar um modelo em sua residência.

Eu achava que seria algo muito caro, mas me surpreendi ao saber que poderia dar uma entrada e pagar o restante em dez parcelas'.

Vanderlei fez o negócio e, em pouco tempo, tinha uma piscina em sua casa.

Foto: Ana Flávia Hantt / Tudo & TodasEm sua loja, Vanderlei disponibiliza modelos produzidos por quatro fábricas
Foi de uma piscina em casa, que Vanderlei enxergou a oportunidade de empreender

Para os parentes e amigos que o visitavam, indicava a loja localizada na cidade vizinha e, a partir disso, percebeu que havia um nicho de mercado em Venâncio Aires para o segmento. Em parceria com uma empresa de Santa Cruz do Sul, passou a intermediar a venda de piscinas no município e, rapidamente, vendeu três unidades. Logo depois, por dificuldades em manter seus serviços, o parceiro da cidade vizinha sugeriu a Vanderlei que assumisse, de fato, o mercado de Venâncio Aires.

Minha primeira reação foi dizer: 'mas eu não entendo nada de piscinas!''.

A falta de experiência, no entanto, não foi um empecilho. Vanderlei estudou o segmento, encontrou uma equipe para terceirizar o serviço de instalação, e ouviu de um amigo que poderia iniciar o seu negócio como um Microempreendedor Individual (MEI).

Assim, em 2013, Vanderlei registrou-se e passou a conciliar a venda de piscinas com o seu trabalho como vendedor.

Neste período, vendi 12 piscinas e já não conseguia mais manter o meu emprego. Pedi demissão e, em janeiro de 2014, passei a me dedicar somente à loja'.

A partir daí, o negócio expandiu. No mesmo ano, a empresa participou como expositor na Festa Nacional do Chimarrão (Fenachim), ação que contribuiu para um número recorde de vendas: 68 piscinas no ano de 2014. Esse já era o momento de Vanderlei deixar de ser MEI, para migrar ao Simples Nacional.

 

Foto: Ana Flávia Hantt / Tudo & TodasAlém das visitas, Vanderlei construiu um espaço próprio para atender a seus clientes
Além das visitas, Vanderlei construiu um espaço próprio para atender a seus clientes

 

Hoje, junto ao empreendedor, outras duas pessoas trabalham na empresa, além do serviço terceirizado prestado por instaladores e equipe de manutenção de piscinas. Mesmo assim, Vanderlei faz questão de acompanhar de perto cada etapa do negócio: visita clientes para apresentar as opções disponibilizadas pelas quatro fábricas com as quais trabalha, e também estudar o terreno onde a piscina será instalada. Após efetuada a venda, acompanha a instalação, e ainda indica os serviços de manutenção.

Perguntado sobre o que mudou em sua vida desde que se tornou empreendedor, Vanderlei fala sobre o volume de trabalho e a responsabilidade de estar à frente de um negócio.

É um desafio, especialmente na temporada de verão, quando cresce muito a procura por piscinas', comenta.

Para o futuro, a meta do empresário é o equilíbrio entre o trabalho e a qualidade de vida. Para isso, além da oferta de piscinas, pretende direcionar o negócio, também, para a venda de itens para manutenção e acessórios. Tudo isso, dentro de sua filosofia de trabalho:

Vender produtos de qualidade, e dentro do preço de mercado', afirma.

***

Esta matéria faz parte da série 'Empreendedorismo que Inspira', publicada na Folha do Mate, aos sábados, entre janeiro e fevereiro de 2017.