fechar

Unisc volta a oferecer Fies no segundo semestre

Universidade não estava mais oferecendo o recurso desde o segundo semestre de 2018

por: Ana Carolina Becker
Data: 08/05/2019 | 06:30
Foto: Divulgação Depois de dois semestres sem oferecer o financiamento, Unisc deve retomar novos contratos no próximo semestre
Depois de dois semestres sem oferecer o financiamento, Unisc deve retomar novos contratos no próximo semestre

A Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc) voltará a oferecer o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) no segundo semestre de 2019. A instituição estava sem disponibilizar novos contratados desde a metade do ano passado quando o ex-presidente Michel Temer apresentou regras atualizadas para os novos contratos. A informação de que o programa voltaria a ser oferecido pela instituição foi confirmada pela reitoria à Folha do Mate, na manhã de ontem.

Segundo a coordenadora do setor financeiro e do Programa Universidade para Todos (ProUni), Maria Luiza Hoffmann, a decisão foi tomada após as mudanças do Fies, apresentadas há um ano, estarem mais claras e definidas. 'A instituição tem consciência da importância dos programas de apoio financeiro para o acesso e permanência da nossa comunidade acadêmica no ensino superior, buscando o desenvolvimento econômico da nossa região', enfatiza.

Atualmente, a Unisc dispõe de 1.290 estudantes utilizando o Fies. No entanto, em fase de adesão ao programa, não é possível dizer o número de novas vagas que serão ofertadas pelo Ministério da Educação (MEC), já que, nem mesmo o cronograma de inscrições para o próximo semestre foi disponibilizado. A previsão é de que isso ocorra até o fim de julho.

Maria Luiza adianta que a instituição irá solicitar vagas para todos os cursos de presenciais graduação, 'mas é o MEC quem define o número de vagas finais conforme disponibilidade orçamentária e os cursos selecionados conforme critérios por áreas prioritárias', explica.

Depois de estar dois semestres sem ofertar o financiamento, é possível que todos os estudantes - matriculados ou vestibulandos - que tiverem interesse em aderir ao programa podem se candidatar as vagas disponibilizadas pelo Fies.

RELEMBRE
A primeira vez que a Unisc e Universidade do Vale do Taquari (Univates) não ofereceram novos contratos do Fies foi em 2015. No caso da Universidade de Santa Cruz do Sul, em quatro anos, apenas uma única vez a instituição ofertou vagas pelo financiamento. No próximo semestre, a instituição santa-cruzense volta a oferecer novos contratos.

UNIVATES
A Univates, através da assessoria de imprensa, informou que o retorno do financiamento ainda está sendo estudado e discutido internamente.

Como funciona o Fies
O processo seletivo do Fies ocorre por etapas e é semelhante aos processos realizados em anos anteriores. Segundo Maria Luiza, o estudante deve realizar a inscrição no site oficial www.fiesselecao.mec.gov.br no período divulgado no cronograma do Fies, levando em consideração os critérios exigidos pelo MEC para solicitar o financiamento, como renda bruta familiar e a nota mínima obtida na prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 450 pontos e não ter zerado a redação. Caso o aluno seja selecionado, deverá entregar os documentos do grupo familiar na instituição de ensino para validação e aprovação para, posteriormente, contratação na Caixa Econômica Federal.
NOVO FIES
1 O financiamento está dividido em duas modalidades, possibilitando juros zero a quem mais precisa e uma escala de financiamento que varia conforme a renda familiar do candidato;

2 Na primeira modalidade, o novo formato oferta vagas com juros zero para alunos que tiverem uma renda per capita mensal familiar de até três salários mínimos. Nessa etapa, o estudante começará a pagar as prestações respeitando o seu limite de renda, fazendo com que os encargos a serem pagos pelos estudantes diminuam consideravelmente.

3 A outra modalidade de financiamento, denominada P-Fies, é destinada aos estudantes com renda per capita mensal familiar de até cinco salários mínimos. A referida modalidade funciona com recursos dos Fundos Constitucionais e de Desenvolvimento e ainda, com os recursos dos Bancos privados participantes.
*Fonte: MEC