fechar

Servidores do IFSul realizam mobilização hoje

Trabalhadores irão realizar, a partir das 9h, ato de mobilização em defesa da educação

por: Ana Carolina Becker
Data: 15/05/2019 | 06:30
Foto: Juliana Bencke / Folha do Mate,

Ocorre hoje, em todo Brasil, a Greve Nacional da Educação. Em Venâncio Aires, servidores do Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul) realizam um ato de mobilização em defesa da educação, a partir das 9h, na Travessa São Sebastião Mártir. Essa movimentação iniciou após o Ministério da Educação (MEC) anunciar cortes no repasse de recursos.

Durante o ato será feita uma explanação da atual situação da educação no país e sobre os cortes que estão sendo propostos, além da leitura de duas cartas emitidas pelo Colégio de Dirigentes do IFSul (Codir) e Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif). O movimento, aberto à comunidade, terá também a participação dos alunos que irão promover uma intervenção teatral.

De acordo com informações repassadas pelos representantes do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnóloga (Sinasefe) na instituição, se os cortes permanecerem, como já aconteceu com universidades, será necessário paralisar atividades e suspender pagamentos a prestadores de serviços.

O maior impacto, como explicam, ocorrerá no pagamento de contas como água, energia elétrica, telefone e aquisição de materiais. Além disso, a possibilidade de demissão de terceirizados coloca em risco a manutenção dos contratos de prestação de serviço como limpeza e segurança. O bloqueio também provoca uma revisão no processo de concessão de bolsas, das viagens técnicas e eventos voltados para pesquisa e extensão.

ALUNOS MOBILIZADOS
Na noite de ontem, estudantes dos cursos subsequentes de Eletromecânica, Refrigeração e Climatização e do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos (Proeja) Secretariado munidos de cartazes realizaram uma caminhada pela rua Osvaldo Aranha até a Igreja Matriz, com o objetivo de defender e reforçar a importância da educação gratuita, pública e de qualidade.

Já no no domingo, 19, ocorre a I Mostra de Produção do IF Nas ruas da Cidade com a temática 'IF: nosso mundo também é seu', das 13h às 18h, na Travessa São Sebastião Mártir. A proposta e mobilização é dos estudantes do Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul) de Venâncio Aires para mostrar à comunidade como são importantes e transformadoras as atividades desenvolvidas dentro do instituto. Ao longo da tarde serão realizadas apresentações dos trabalhos de pesquisa e extensão, além de intervenções culturais.

Entenda
Nos últimos dias, diversas manifestações têm ocorrido em todo o país contra os cortes de cerca de 30% nos repasses do Ministério da Educação (MEC) para institutos e universidades federais. Nesta semana, o MEC divulgou nota oficial na qual afirma que o corte é de apenas 3,4%.

O diretor do IFSul Venâncio Aires, Cristian Oliveira da Conceição, esclarece, no entanto, que o percentual apresentado pelo governo diz respeito tanto a despesas discricionárias e não discricionárias e, portanto, não representa a realidade da redução dos valores repassados para manutenção das instituições. 'As despesas discricionárias são as que podemos mexer e o Governo tem poder sobre elas, podendo flexibilizar. Já as não discricionárias, onde se enquadram os salários são protegidas legalmente', explica Conceição.

O que diferencia esses dois valores, segundo Conceição, é que no valor de 37,1% do instituto do município não estão calculados os salários, apenas as despesas discricionárias - manutenção do campus, que afetam diretamente os estudantes e toda a comunidade acadêmica -, enquanto nos 3,7% citados MEC estão inclusos os salários.

Duas maiores escolas estaduais aderem à paralisação

As duas maiores escolas estaduais de Venâncio Aires, Cônego Albino Juchem (CAJ) e Monte das Tabocas, aderiram à Greve Nacional da Educação. Na última semana, o 18º núcleo do CPERS/Sindicato confirmou a participação no manifesto devido ao anúncio de cortes de recursos às universidades e institutos federais.

Em contato com as instituições de ensino do município foi informado que o CAJ não atenderá hoje. Já o Monte das Tabocas terá aula normal no turno da manhã e, à tarde, irá liberar os alunos no intervalo, às 15h30min, como forma de mobilização.

Em Santa Cruz, a mobilização do Cpers deve se somar, também, à marcha dos agricultores da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag/RS), contrária à proposta de Reforma da Previdência do governo Bolsonaro, na praça em frente à Lothar Kraus.