fechar

Escolas municipais com EJA terão vigilante noturno em 2019

por: Juliana Bencke
Data: 07/12/2018 | 10:00

Reivindicação antiga das Escolas Municipais de Ensino Fundamental (Emefs) Dois Irmãos, do bairro Aviação, e José Duarte de Macedo, do bairro Macedo, a contratação de um vigilante noturno deve sair do papel, no próximo ano. As instituições são as duas maiores da rede municipal e contam com Educação de Jovens e Adultos (EJA).

O Município lançou, no início de novembro, licitação para contratar o serviço. Depois de duas alterações de data e mudanças no valor previsto para o contrato, a tomada dos preços está marcada para dia 21, às 14h, na Prefeitura. O valor estimado para o contrato é de R$ 2.817,04 mensais, por cada posto de trabalho. Os vigias devem atuar de segunda a sexta-feira, à noite, totalizando 20 horas semanais.

Foto: Juliana Bencke / Folha do MateCerca de 80 alunos frequentam a Educação de Jovens e Adultos na Emef José Duarte de Macedo
Cerca de 80 alunos frequentam a Educação de Jovens e Adultos na Emef José Duarte de Macedo

Para a diretora da Emef José Duarte de Macedo, Erica Inês Franck, o vigilante garantirá mais segurança para estudantes e profissionais que atuam na escola. 'O problema é do portão para fora. Muitas pessoas que não são alunos ficam na frente da escola e ao lado, na academia ao ar livre, inclusive, utilizando drogas', comenta.

Ela também cita a ocorrência de brigas e lembra que, há cerca de seis anos, uma professora foi sequestrada quando saía da instituição, no fim da noite. 'Muitos alunos ficam na parada, esperando o ônibus, depois que saem da escola. Temos que primar pela segurança e por isso esperávamos há tantos anos por um vigia. Posso dizer que esse é um sonho da escola e que, agora, acreditamos que está perto de se concretizar.'

Um vigilante vai garantir uma segurança maior para professores e para os próprios estudantes da escola."
ERICA INÊS FRANCK
Diretora

Secretária municipal de Educação, Joice Battisti Gassen acredita que, além de garantir suporte para professores e equipe diretiva e segurança para os estudantes, a presença de um vigilante vai evitar problemas tanto no interior quanto no entorno dos estabelecimentos de ensino.

'São escolas que trabalham à noite porque têm EJA e já estavam há bastante tempo reivindicando. Levou-se tempo até que conseguíssimos finalizar o processo por conta de questões técnicas que precisaram ser analisadas pelo jurídico. Não foi problema de não dar atenção ou não ouvir os pedidos, mas aspectos técnicos para que o projeto fosse bem elaborado', justifica.