fechar

Afeto e estímulo às habilidades, para incluir e desenvolver

Keula Maqueli Closs é a última finalista do prêmio 'Adiante, professor', apresentada pela Folha do Mate. Ela concorre na categoria Educação especial

por: Juliana Bencke
Data: 28/08/2018 | 08:00

Uma frase da ex-primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, guardada na sala onde atua, resume o que a professora Keula Maqueli Closs, 27 anos, pensa sobre o trabalho: 'Sucesso não é quanto dinheiro você ganha, mas a diferença que você faz na vida das pessoas.'

Foto: Juliana Bencke / Folha do MateA cada atendimento pedagógico ou de estimulação precoce, Keula busca valorizar e desenvolver potencialidades dos alunos
A cada atendimento pedagógico ou de estimulação precoce, Keula busca valorizar e desenvolver potencialidades dos alunos

A diferença promovida por ela está em sorrisos e em pequenos, mas significativos avanços, de alunos da escola da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Venâncio Aires. 'Não há dinheiro que pague o amor e o carinho que recebemos sendo professores, participando e vivenciando os processos de aprendizagem, lutando e comemorando cada descoberta e evolução', considera.

Professora de Educação Especial, Keula atua em atendimentos pedagógicos e de estimulação precoce na Apae. Em sessões semanais de 45 minutos, busca desenvolver, por meio de brincadeiras e jogos, as habilidades e potencialidades de crianças com atraso desenvolvimento psicomotor e intelectual.

  • LEIA MAIS 

Saiba quem são os finalistas do prêmio 'Adiante, professor'

"Temos uma missão muito grande na educação infantil"

Educação sem egoísmo, para inspirar e desenvolver

Os 'conteúdos' trabalhados por ela vão desde números e cores até estímulo a brincadeiras de 'faz de conta', socialização e autonomia - guardar as peças de jogos e vestir o próprio casaco, por exemplo. Com um demanda diferente, a cada criança atendida, Keula utiliza atividades lúdicas e aposta em uma das ferramentas mais poderosas de transformação: o amor.

Inclusão não é somente quando inserimos a criança no ambiente regular, mas quando oferecemos a a ela maneiras e possibilidades de aprender. A convivência com as diferenças transforma o olhar e humaniza as crianças, possibilitando uma prática que venha a formar cidadãos que irão respeitar as diferenças de forma natural."

'Acredito que o aluno só vai se desenvolver e aprender quando perceber que estamos ao seu lado, incentivando, e quando sentir que estamos ali porque gostamos do que fizemos. Através do faz de conta, da imaginação, dos jogos e com os laços afetivos criados no decorrer dos atendimentos, consigo possibilitar um espaço estimulador e envolvente', acredita.

Assim, em meio a novidades e desafios diários, a aprendizagem ocorre de forma prazerosa. 'O que antes era difícil ou desafiador, começa a se tornar fácil. A criança começa a se interessar pelo processo de aprendizagem e o desenvolvimento começa a acontecer de forma natural e enriquecedora.'

Para Keula, que já atuou em salas de recurso multifuncional, em escolas da rede estadual de ensino, e começou as atividades na Apae de forma voluntária, é possível contribuir de forma significativa com a educação.

A diretora da Apae, Maribel Mylius Trindade, destaca o envolvimento e a paixão da professora pela profissão. 'Ela ficou por muito tempo trabalhando voluntariamente, no dia em que tinha folga e, quando surgiu a oportunidade, foi convidada a trabalhar conosco. Assim como todos os profissionais da Apae, a Keula é uma estrela no que faz', resume.

  • LEIA MAIS 

Imaginação e curiosidade para aprender

'É preciso ensinar com os olhos do coração'

Educação além dos livros, para emancipar e incluir

Foto: Juliana Bencke / Folha do MateKeula:
Keula: "Acredito que a promoção de igualdade começa quando aceito a individualidade e a história de cada criança, respeitando suas dificuldades e incentivando suas habilidades"

Atualmente, além de trabalhar na Apae, é professora de 1º e 2º ano na Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Narciso Mariante de Campos, de Linha Tangerinas. Ainda, nas horas vagas, mantém, ao lado da irmã Moira Poema Closs Gaspar, a página PedagogicaMENTE, no Facebook - um espaço de compartilhamento de ideias e materiais pedagógicos para utilização em sala de aula.

'Para mim, ser professora é isso, estar sempre em constante formação, dialogando com outros profissionais, estar integrada teoricamente e, principalmente, exercitando e praticando o que acredito ser o melhor para o processo de aprendizagem dos alunos', afirma. 'Precisamos multiplicar o que é bom.'

Perfil

Keula Maqueli Closs cursou licenciatura plena em Educação Especial, na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), e possui pós-graduação em Gestão educacional, pela mesma instituição. Além disso, é pós-graduada em Ações em Estimulação Precoce, pela Universidade do Vale do Taquari (Univates) e cursa pós-graduação em Psicopedagogia Clínica e Institucional pelo Centro Universitário Uninter. Também pela Uninter realizou a Segunda Licenciatura Plena em Pedagogia. A formação possibilitou que começasse a trabalhar como professora alfabetizadora, com alunos de anos iniciais da rede municipal.

  • LEIA MAIS 

Atividades contextualizadas para desmitificar a matemática

Diálogo e afeto para motivar os estudantes

Para incentivar o estudo, a autoestima e o pensamento crítico