fechar

Um reinado que encantou e inspira novas gerações

por:
Data: 24/10/2015 | 07:30
Fenachim

Espelho para muitas candidatas e também para soberanas de últimas edições, Francine Rabuske Schwengber foi a rainha da 8ª Fenachim. Ao lado das princesas

Foto: Arquivo pessoalPatrícia Graef, Francine Rabuske Schwengber e Roberta Wünsch Bastos formaram a corte da 8ª Fenachim, no ano de 2003
Patrícia Graef, Francine Rabuske Schwengber e Roberta Wünsch Bastos formaram a corte da 8ª Fenachim, no ano de 2003

Patrícia Graef e Roberta Wünsch Bastos, representou a Festa Nacional do Chimarrão no ano de 2003. Antes de concorrer à soberana da Fenachim, Francine já havia sido eleita princesa de um dos concursos mais concorridos do estado: o Garota Verão. 'Eu gostava de participar e era bastante incentivada pela minha mãe. Lembro da primeira faixa, a de Simpatia do Menina Flor.'

Mas foi aos 18 anos que tentou, arriscou e alcançou um desejo que já a acompanhava desde nova, sempre incentivada pela família: ser soberana da Fenachim. 'Participar do concurso e ser eleita para compor o trio são desejos, sonhos de qualquer menina de Venâncio. Representar a cidade, vestir aquelas roupas encantadoras, tudo isso está no imaginário das garotas e das famílias. A minha família, por exemplo, sempre me incentivou. Cresci ouvindo: 'Olhem, aí está a futura princesa, a rainha da festa!'; 'Você tem que participar do concurso!'.' A convite de Alécio e Donaide Moraes, ela representou a Universal Leaf Tabacos. 'Desde o convite da empresa à conquista do título, todos os momentos foram marcantes.' Segundo ela, o baile de escolha foi cheio de nervosismo. 'Concorria com belas meninas, todas com muito potencial. Só consegui relaxar de verdade depois do anúncio das vencedoras. Não acreditei quando escutei meu nome. Emoção sem tamanho.' 

Logo depois da escolha do trio, iniciou o período de divulgação da Festa. 'Lembro que, no dia seguinte, cedinho, estávamos nas rádios da cidade pra falar sobre a escolha e já realizarmos o primeiro convite oficial para a Festa.' Segundo a rainha, os compromissos pareciam intermináveis. Mas foi nesta extensa agenda que Francine diz ter ganhado uma nova família. 'Os que estiveram comigo nessa época podem ter certeza de que me recordo de todos com muito carinho e saudade. Encontrei nas minhas parceiras de reinado, a Pati e a Beta, duas grandes amigas, companheiras e mulheres incríveis. Nos tornamos confidentes, irmãzinhas. E essa foi uma das melhores partes dessa história.' A diversão era ingrediente que não faltava nas inúmeras viagens. 'Lembro, com detalhes, de um roteiro de divulgação pela Capital. Corremos de salto, dançamos na beira do Guaíba, nos encontramos com o Presidente da República, Lula, no Palácio Piratini. Nesse encontro, entregamos a ele, um abaixo-assinado da comunidade para que ele viesse visitar a nossa Festa.' O documento havia sido criado pelo presidente da 8ª Fenachim, Flávio Seibt.

Os trajes oficiais do trio foram muito esperados. E na opinião da rainha, foram os mais elegantes de todos. 'Pra quem está na corte, vestir os trajes oficiais é um dos momentos mais aguardados. Acompanhamos cada detalhe na confecção. Sou suspeita pra falar, claro, mas, nossas roupas são as mais elegantes. Sou apaixonada pelo meu vestido de gala.' Francine ainda ressalta como as pessoas eram carinhosas com as soberanas. 'É impressionante como isso mexe também com as outras pessoas. Durante a festa, os visitantes faziam questão de tocar, observar o bordado das cuias em pedrarias, elogiar as cores. As crianças, em especial, ficavam enlouquecidas. Aliás, o público infantil e o da terceira idade foram os mais calorosos conosco e fizeram a diferença na nossa Festa. Era muito bom receber esse carinho.'

Além disso, ela ainda guarda um momento marcante de um dos shows. 'Tentamos curtir os dias do evento ao máximo. Não perdemos um show. Na apresentação do saudoso Jair Rodrigues, levei um susto quando ele desceu do palco e veio em nossa direção. De repente, ele sentou no meu colo e continuou a cantar. Foi marcante e muito divertido.'

12 anos depois

Francine é formada em Jornalismo pela Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc). Está casada há oito anos com o advogado Renan Schwengber, com quem mora

Foto: arquivo pessoalFrancine trabalha como editora, repórter e apresentadora da RBS TV
Francine trabalha como editora, repórter e apresentadora da RBS TV

em Santa Cruz do Sul.

Há cinco anos trabalha na RBS TV, como editora, repórter e apresentadora do Jornal do Almoço. 'É por meio do Jornalismo, que procuro fazer a diferença na vida de quem me assiste - é isso que me encanta na profissão, a possibilidade de transformar a partir da informação. E nesses anos já contei muitas histórias.'

Apesar de morar em Santa Cruz, Francine sempre acompanha de perto a Fenachim, como espectadora ou mesmo trabalhando. 'A Fenachim sempre estará comigo, faz parte de um belo capítulo da minha história.'

Na 13ª edição, além de ter apresentado o concurso de escolha da corte ao lado do colega Fernando Becker, transmitiu um Jornal do Almoço ao vivo do Parque, com a participação da Cristina Ranzolin. 'Foi especial.'

 

'Fazer parte da história da Fenachim é motivo de orgulho, de alegria. Me emociono a cada Festa e é impossível não me lembrar da minha época, época em que cresci muito como pessoa.'

Francine Rabuske Schwengber
Rainha da 8ª Fenachim