fechar

ONG Paresp une vidas há nove anos

por: Carolina Schmidt | Edição: Fernando Uhlmann
Data: 15/11/2014 | 08:30

Há sete anos, mãe e filha tem uma rotina diferente. Juntas elas frequentam a Organização Não Governamental (ONG) Parceiros da Esperança onde encontraram satisfação em ajudar e serem ajudadas. Esta é apenas uma das histórias desse entidade que completou nove anos na terça-feira,11.

A jovem Demi Moore Garcia Goergen, 13 anos, frequenta a Paresp há sete anos e a mãe Maria Genoefa Garcia auxilia nas atividades da cozinha e ministra oficina de tricô há cinco anos. Demi começou a fazer parte dos alunos da ONG, em virtude do trabalho da mãe na empresa fumageira.

'Para mim é bom vir aqui. Tenho amigos e professores que me acolhem. Posso me divertir e participar das atividades.' Ela frequenta o 8° ano na escola Brígida e ajuda na Paresp os mais novas novas. A sua melhor amiga também frequenta a Paresp. 'Ela sempre se abre comigo e ajudo no que posso', destaca Demi. O nome dela foi dado pelo pai por causa da atriz, Demi Moore, famosa em filmes de 'Hollywood' que protagonizou o sucesso 'Ghost - Do Outro lado da Vida'.

Para ela, a Paresp ajudou e vai ajudar ainda no futuro, pois o desejo dela é ser assistente social para realizar o mesmo trabalho que os profissionais do local fazem. 'As pessoas não podem reclamar. Tem muita gente passando trabalho que não desiste.'

A mãe dela, Maria, começou a ajudar na Paresp, depois de descobrir que estava com depressão. Vai ao local cerca de três vezes por semana. 'O médico tinha dado medicamento e decidi não tomar. Resolvi ir na Paresp e ajudar. Me sinto tão bem e renovada. É muito gratificante.'

Maria faz tratamento para o câncer de mama há sete meses e fez cirurgia. 'É difícil, mas com fé em Deus a gente vai.' Na opinião dela, se os pais valorizassem mais a Paresp, seria algo positivo para eles também. 'A gente ajuda as crianças. Muitos estão carentes e querem conversar.'A família reside no bairro Brígida. Além de Demi Moore, Maria tem mais três filhos. Demi acompanha a mãe no tratamento do câncer. 'Somos mais que mãe e filha, somos amigas', diz Maria.