Natal na Inglaterra

por: Solange Silberschlag Beglin
Data: 24/12/2016 | 18:49

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalIluminação de Natal na Oxford Street em Londres
Iluminação de Natal na Oxford Street em Londres

As festividades natalinas são definidas pela história e garra britânica em manter vivas tradições de outros tempos. Natal na Inglaterra significa expectativa e preparação incessante que inicia bem antes de dezembro. Os meses que antecedem o Natal são, na verdade, tão importantes na comemoração como  o dia em si. Os ingleses curtem muito este período de espera pelas festas de fim de ano e nesta época usam muito a expressão 'the build up to Christmas' que converge  justamente este sentimento de entusiasmo e expectativa.  As luzes de Natal tratam de ofuscar o clima cinzento e frio tão peculiar no velho continente durante os últimos meses do ano. Impossível não se deslumbrar com a decoração de Natal da capital britânica.

Por onde se anda o brilho cintilante de vitrines efervesce o coração londrino,contagiando a todos. Nesta época do ano, mais do que nunca, os britânicos se engajam em projetos humanitários, de entidades de caridade, doando tempo e trabalho a causas filantrópicas. Cidades e vilarejos se revestem de luzes enquanto a população   transpira euforia. Os ingleses sorriem e se abraçam nesta época do ano !

Banquete de Natal

 

A ceia de Natal na Inglaterra acontece no dia 25 e jamais na véspera.  Meu primeiro Natal aqui na terra da Rainha, há mais de duas décadas, foi uma lição que jamais esqueceria. Dia 24 é um dia como qualquer outro -passa em branco -  com exceção à noite quando extensa  programação televisiva trata de entreter a todos com filmes sugestivos e seriados populares.   Abrir presentes no dia 24, nem pensar! No dia de Natal, no entanto, as comemorações se prolongam durante todo o dia. Cedinho pela manhã, as crianças pulam da cama empolgadas  para descobrir o que o Papai Noel deixou embaixo do pinheiro. Para os mais pequenos  o bom velhinho deixa balas, chocolates e lembrancinhas nas meias de Natal (Christmas stockings) que as crianças deixam penduradas na porta da sala ou perto da lareira. O banquete de Natal é repleto de tradições, desde o beijo embaixo do galho de visco na porta de casa, abertura de presentes conjunta, almoço tardio até a hora do descanso à tardinha, em frente à televisão depois de saborear as delícias de Natal. Na verdade as festas de final do ano significam comer e beber, degustando gastronomia típica e requintada. É o momento de reunião familiar recheada de  entusiasmo.

O banquete de Natal (Christmas dinner, em inglês) apresenta pelo menos uma entrada, prato principal, acompanhamentos, sobremesa, bolo de Natal e tábua de queijos para completar (queijos Stilton e Cheddar não podem faltar!). Uma das entradas preferidas  é o  salmão defumado temperado com pimenta e limão, acompanhado  de pão integral  e manteiga. O prato tradicional da ceia é o peru assado (ou ganso), acompanhado de muitas verduras e temperos variados. O protagonista do banquete chega à mesa sob  aplauso de todos convidados que não se cansam de agradecer a cordialidade  da família anfitriã. A ave é assada durante horas no fogo baixo antes de ser servida com batatas ao forno, parsnip (espécie de cenoura branca com gosto adocicado), repolhinho  de Bruxelas (não pode faltar!) e cenoura cozida, entre outras verduras,  tudo acompanhado de diversos molhos e condimentos. A sobremesa é sempre farta e  variada com bolos de chocolate, gengibre e pudins de frutas vermelhas.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalBolo de Natal
Bolo de Natal inglês (não sou fã)

Na sequência das doçuras e prato de queijos  aparece o tradicional bolo de Natal (Christmas pudding) flambado em frente aos convidados esta sobremesa tipicamente inglesa, preparada meses  antes do Natal, é recheada de frutas secas e cristalizadas e servida com creme de nata batida.  Uma tradição que eu adoro  durante o almoço de Natal são as crackers - bombinhas bem enfeitadas que contêm um presentinho,  charada e coroa de papel - e que são estouradas entre os convidados com os braços entrelaçados, sentados em torno da mesa, criando assim um clima descontraído e festivo.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalCrackers contêm um presentinho, coroa de papel e charada
Crackers contêm um presentinho, coroa de papel e charada
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalMince pies
Mince pies

Todo mundo entra na brincadeira com a coroa de papel na cabeça durante o banquete permeado por gargalhadas histéricas entre uma e outra charada.  Com a cabeça turbinando, depois de inúmeras  taças de vinho e champanhe, lá pelas cinco,  o chá da tarde traz tortinhas de Natal (mince pies) recheadas de frutas secas e decoradas com açúcar confeiteiro (mas não fazem meu gosto...). É hora de os  adultos abrirem os  presentes com a família reunida na sala enquanto a rede de televisão BBC transmite o discurso anual da rainha Elizabeth . A ceia de Natal na Inglaterra é assim, empolgante,  rica e jubilosa!

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalMerry Christmas!
Merry Christmas!

 

 

Brilho de Natal em Londres

por: Solange Silberschlag Beglin
Data: 23/12/2016 | 18:54


 

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalAnjos na Regent Street
Anjos na Regent Street

Durante o mês de dezembro, mais do que nunca, Londres irradia boas vibrações. Nem mesmo a penumbra  sombria que paira sob o céu cinzento londrino nesta época do ano consegue ofuscar o brilho cintilante da decoração de Natal. É verdade que às quatro da tarde já está escuro por aqui mas com o colorido da iluminação natalina os dias se tornam mais alegres e festivos. O sol quase não aparece durante os dias curtinhos do último mês do ano no entanto a euforia de todos à espera do Natal é simplesmente contagiante.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalFortnum Mason
Fortnum Mason
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalOxford Street
Oxford Street

Os britânicos acolhem de braços abertos o clima festivo de final de ano, sempre empolgados seja pelas ruas fazendo compras, ou em casa preparando pratos especiais  e seguindo tantas tradições típicas. É pura vibração calorosa, ainda que o clima frio nos aponte para o contrário. O coração pulsante de Londres borbulha pelas avenidas emolduradas por prédios antigos adornados pela decoração de Natal fulgurante.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalSaint Christopher place, bem pertinho da Oxford Street
Saint Christopher place, bem pertinho da Oxford Street
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalBond Street
Bond Street

Impossível não se maravilhar com o brilho natalino destacado em cada canto da capital britânica. O que eu mais adoro neste período que antecede as comemorações de Natal são as vitrines decoradas. Eu amo visitar as grandes lojas de departamento (e são tantas por aqui!) e passar horas contemplando  os maravilhosos espetáculos que elas oferecem através de suas janelas ornamentadas.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalVitrine da Harrods
Vitrine da Harrods
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalBurlington Arcade
Burlington Arcade

Vitrines temáticas que se transformam em palco de teatro, retratando contos de fadas, dentro e fora das grandes lojas. A decoração das vitrines  faz parte da cultura daqui tanto que algumas  podem facilmente ser confundidas com instalações de arte, com narrativas  sempre cheia de detalhes.  As grandes  lojas  competem entre si na montagem da vitrine mais original e  investem pesado na decoração para o período festivo.  Selfridges, Liberty e Harrods  são as minhas preferidas. E nesta semana fui lá conferir de perto. A loja de departamento Selfridges é uma das mais tradicionais, localizada na famosa rua comercial  de Oxford Street.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalVitrine da Selfridges
Vitrine da Selfridges
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalMuitas lantejoulas na roupa do Papai Noel!
Muitas lantejoulas na roupa do Papai Noel!

Fundada no início dos anos 1900 pelo  americano Harry Gordon Selfridges a loja transformou o  hábito de compra dos britânicos oferecendo  uma experiência diferenciada, principalmente ao público feminino, que teve a chance de se libertar  através do consumo adquirindo produtos que até então eram considerados tabu tal como cosméticos e perfumaria. Um homem visionário, à frente de seu tempo, Selfridges criou vitrines bem elaboradas pra divulgar seus produtos, conceito que permanece até hoje. Neste ano a loja de departamento decorou suas 12 vitrines seguindo o tema 'Brilhe sem parar',  destacando em cada uma, a figura do Papai Noel vestido em trajes reluzentes, cobertos de lantejoulas.

 

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalVitrines temáticas da Harrods com patrocínio da Burberry
Vitrines temáticas da Harrods com patrocínio da Burberry

Na Harrods, loja de departamento mais famosa de Londres, o tema de Natal percorre todos ambientes até as grandes vitrines que neste ano destacam a marca britânica Burberry. O tema 'Um conto de fadas tipicamente britânico' retrata as aventuras  de duas crianças vivendo numa  mansão de campo e se divertindo na paisagem de neve. Pelas 29 janelas gigantes pode-se vislumbrar carros voadores, banheiras flutuantes, passagens secretas, montanhas de neve, e tanto mais.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalSelfridges cor de rosa!
Selfridges cor de rosa!

Visitantes podem interagir com a narrativa através de paineis sensoriais, criando som e movimento aos personagens da vitrine.  Todos os anos  o comércio de  Londres capricha na decoração. As vitrines despertam a magia de Natal tanto em crianças quanto adultos que lotam as calçadas em torno das grandes lojas.

 

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalOlha eu ai! iluminada pelos anjos londrinos...
Olha eu ai! iluminada pelos anjos londrinos...

 

História britânica na Torre de Londres

por: Solange Silberschlag Beglin
Data: 02/12/2016 | 20:39

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalTorre de Londres, magnífico conjunto arquitetônico
Torre de Londres, magnífico conjunto arquitetônico
 
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalGuarda oficial da Torre
Guarda oficial da Torre "Beefeater"

Localizada às margens do rio Tâmisa, no leste da capital, a Torre de Londres é um retrato histórico da pujança do império britânico  num conjunto arquitetônico magnífico de fortificações medievais. Um monumento que conta em detalhe a história turbulenta da Inglaterra.  Há quase mil anos, em 1066 quando William, o Conquistador,  invadiu a  Inglaterra, foi construída a primeira fortificação, de madeira, e mais tarde reconstruída de pedra e denominada  Torre Branca. Em 1097 a Torre Branca era a construção mais alta de Londres e continua muito bem preservada até hoje, no centro da fortaleza.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalTorre Branca está localizada no centro da fortaleza
Torre Branca está localizada no centro da fortaleza
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalEdificações medievais à beira do rio Tâmisa
Edificações medievais à beira do rio Tâmisa

Ao longo dos séculos e a cada reinado,  a construção foi sendo expandida com a edificação de várias torres entre sólidas muralhas separadas por um fosso profundo,  formando assim a citadela  mais antiga e indomável  da Europa.  Ela servia de refúgio aos reis e rainhas perseguidos por súditos rebeldes e imprevisíveis. A Torre de Londres era símbolo de poder absoluto e durante muito tempo  foi residência oficial da monarquia britânica e palco de suntuosos banquetes. Dali partiam as pomposas carruagens de coroação. As paredes deste impecável monumento são impregnadas de história. História de destemor, de glória e opulência; história mórbida, de tortura,  encarceramento e decapitações.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalTorre da prisão
Torre da prisão
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalMonumento é cercado por muralhas
Monumento é cercado por muralhas

Durante séculos a Torre foi usada para encarcerar milhares   de prisioneiros entre eles monarcas depostos, traidores da Corte, dissidentes  e criminosos comuns; a maioria sob sentença de morte. Caminhando ao longo da muralha durante minha visita  à Torre de Londres nesta semana senti na pele o mistério que contagia este lugar de arquitetura fascinante ainda que sombria. Visto do alto de uma das torres o conjunto arquitetônico parece um vilarejo, com as casinhas antigas que eram residência dos criados misturadas às fortificações.  Ao entrar pelo portão principal a impressão é de estar voltando no tempo, pois as fortificações são muito preservadas e cada aposento e construção retratam um pedacinho da história da Inglaterra.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalVilarejo dentro da fortaleza
Vilarejo dentro da fortaleza
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalVista do alto de uma das torres nesta manhã de finalzinho de outono
Vista do alto de uma das torres 

E com a ajuda do tour guiado de um dos guardas oficiais (Beefeater) durante duas horas viajei no tempo, imersa na lição de história, ao vivo e a cores. E eu não era a única! Nesta manhã de finalzinho de outono, a criançada também estava lá aprendendo ao vivo a história do país. Avistei diversos grupos de alunos do primeiro e segundo ano, peregrinando de torre em torre, com os olhinhos maravilhados, vendo ao vivo um pouco da história que haviam estudado nos bancos escolares algumas semanas antes..

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalGrupo escolar aprendendo sobre a história do portão dos traidores
Grupo escolar aprendendo sobre a história do portão dos traidores
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalTorre de Londres é uma das atrações mais visitadas da capital britânica
Torre de Londres é uma das atrações mais visitadas da capital britânica

Assim como eu, eles aprenderam que ao longo dos séculos a Torre teve muitas finalidades: até o início do século XIX abrigou a casa da moeda, um zoológico, um cartório de registros oficiais, um arsenal e quartel para as tropas. Hoje em dia a Torre Branca foi transformada em museu de armaria. Em alguns dos aposentos funcionários vestidos com trajes de época encenam fatos pitorescos, como no quarto do jovem príncipe Eduardo e próximo na linha do trono mas que misteriosamente desapareceu antes de ser coroado.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalAposento onde dormia o jovem principe Eduardo
Aposento onde dormia o jovem principe Eduardo
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalAo lado do quarto, a capela
Ao lado do quarto, a capela

O destaque maior hoje em dia fica por conta do tesouro real exposto no museu onde se encontram as joias da coroa. Numa  exposição muito bem montada usando tecnologia moderna para destacar o antigo vamos nos inserindo no mundo dos monarcas mais famosos do mundo. Encontram-se ali objetos de grande importância histórica, como a colher de ouro do século XII (usada para ungir o soberano com óleo sagrado),  a prataria reluzente usada somente durante cerimônias de coroação, espadas, diamantes e toda simbologia que a monarquia britânica representa. Estão expostas as coroas de todos monarcas além do traje de coroação da atual rainha Elizabeth. Um sonho para os amantes da história inglesa, como eu! Infelizmente não é possível fazer fotos dentro do museu.  

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalEntrada do museu
Entrada do museu
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalMuseu onde se encontram as joias da Coroa (não é permitido fazer fotos dentro...)
Museu onde se encontram as joias da Coroa (não é permitido fazer fotos dentro...)
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalAntigamente os prédios dentro da fortaleza eram residência dos criados da Corte
Antigamente os prédios dentro da fortaleza eram residência dos criados da Corte

Corvos

Diz a  lenda que a monarquia e a Torre seriam destruídas se os corvos ali existentes deixassem a fortaleza e assim desde o século XVII pelo menos seis corvos são mantidos dentro da citadela. Eles viraram atração da Torre de Londres, sendo muito bem   protegidos e contam inclusive com uma equipe de guardas dedicada a cuidá-los. Eles têm uma das asas aparadas para evitar que voem para fora do território, mas de acordo com um dos mestres, os corvos são adestrados e nunca fogem do local. Todos os dias ao anoitecer um dos guardas chama os pássaros negros com um apito especial para comer e repousar em suas gaiolas.  Hoje em dia são sete corvosque vivem em torno da Torre, cada um com nome próprio. A dieta dos corvos inclui 170g de carne crua por dia além de biscoitos para pássaros mergulhados em sangue.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalCorvos são atração!
Corvos são atração!
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalDieta diária dos corvos inclui 170g de carne crua e biscoitos para pássaros mergulhados em sangue
Dieta diária dos corvos inclui 170g de carne crua e biscoitos para pássaros mergulhados em sangue

COMO CHEGAR - metrô  linha amarela (Circle Line) ou verde (District Line) estação Tower Hill

INGRESSO - Pode ser comprado online mas a diferença de preço é mínima. Entrada na hora pode ser adquirida nos quiosques fora da Torre. Ingresso inclui tour (a cada meia hora,em inglês, super recomendo!) e mapa. Preço - Adulto £25, crianças (5 a15 anos) £12, estudante e jovens acima de 16 anos £19,50. Aberto diariamente. Nesta època (Novembro-Março) aberto terça à sábado das 9h às 16h30min e domingo e segunda-feira das 10h às 16h30min. Durante a primavera e verão fica aberto até as 17h.

 

 

 
Páginas:
12345...Próximo
PERFIL

Solange Silberschlag Beglin


Há 22 anos morando na Europa com meu marido inglês e nossos três filhos, adoro viajar, renovar conceitos e assimilar novas culturas. Nesta longa trajetória já morei em Roma durante quatro anos e meio, dois anos na Líbia, quatro anos em Paris, dois anos em Minsk, capital da Bielorússia, e atualmente moro em Londres. Na terra da rainha Elizabeth estão as raízes da nossa família. Entre uma mudança e outra, ao longo dos anos a bagagem cultural foi aumentando e enriquecendo a alma. Vou contar um pouco aqui neste blog justamente sobre as diferenças culturais, estilo de vida e tradições do velho continente. Vou relatar minhas viagens, sempre com várias dicas, assim como fatos interessantes e pitorescos da vida cotidiana na Europa. Viaje comigo e compartilhe aqui também a sua experiência!

BUSCA
CATEGORIAS
LINKS ÚTEIS
    ÚLTIMOS POSTS