Natal em Vilnius: espetáculo de luz que contagia a todos

por: Solange Silberschlag Beglin
Data: 09/12/2018 | 15:26

 

Foto: GoVilnius / divulgaçãoDecoração sublime na praça da Catedral em Vilnius
Decoração sublime na praça da Catedral em Vilnius 

 Imagine um tapete branco gelado cobrindo as imperfeições da paisagem crua de inverno, lareiras crepitando, flocos de neve dançando no ar, pincelando as ruas lotadas de gente encasacada, corais de crianças cantando como anjos sob o brilho cintilante das luzes natalinas, enquanto o aroma de especiarias e   vinho quente se dissipa pelas ruelas da cidade. Imagine um Natal que nos faz sonhar através da simplicidade de costumes que remontam a um passado distante. O período natalino em Vilnius é bem assim: mágico, reunindo todo aquele enredo cativante  de  paisagens esplêndidas e que todos nós já vimos em filmes e livros! A diferença é que aqui o cenário é ao vivo.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalPraça da Prefeitura, no centro histórico de Vilnius
Praça da Prefeitura, no centro histórico de Vilnius

 As festividades de Natal nos países do norte da Europa apresentam pouca conotação comercial se comparado, por exemplo, com a Inglaterra. Por aqui o Natal evoca despretensão e nos transporta ao encantamento de uma época distante, eternizada no tempo, sem correria, saboreando tranquilamente  as horas que não passam, renovando a fé. Assim é o espírito de Natal por aqui.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalHorizonte se transforma num tapete branco de neve nesta época
Horizonte se transforma num tapete branco de neve nesta época
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalEm cada cantinho da capital lituana pequenos detalhes da decoração natalina
Em cada cantinho da capital lituana pequenos detalhes da decoração natalina

 Passar o período de final de ano na Europa é uma experiência inesquecível. E como não lembrar do  meu primeiro Natal em terras europeias, na Inglaterra, há mais de duas décadas? Tão diferente de tudo que já tinha vivido até então! Na época,  jovem e estudante, pensava que seria o único final de ano longe dos meus pais e irmãos, longe do Brasil... pois 24 anos mais tarde cá continuo, com minha própria família, por vezes me sentindo mais inglesa do que brasileira, e vivendo mais um período de Natal na Europa! Neste ano, pela primeira vez, passaremos o Natal na Lituânia.

Foto: GoVilnius / divulgaçãoLuzes formam um espetáculo de tirar o fôlego, no centro de Vilnius
Luzes formam um espetáculo de tirar o fôlego, no centro de Vilnius

  Impossível não se maravilhar com a decoração natalina da capital lituana. Nesta semana marcada por dias gelados, enfrentei as agruras do inverno e fui passear um pouco pela cidade. Pelas ruelas do centro histórico descobri Vilnius ainda mais colorida, adornada por enfeites luminosos e tantos pinheiros. Enquanto em Londres a preparação para o Natal  já começa no final de setembro, por aqui as comemorações se iniciam com a primeira semana de advento e somente no dia 1º de dezembro que as luzes são ligadas e as árvores de Natal gigantes instaladas pelas praças da capital lituana reluzem intensamente. Afinal de contas,  Natal é luz! E aqui, mais do que em qualquer lugar,  carecemos de luz natural nesta época do ano.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalNatal é luz!
Natal é luz!

 

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalNatal é a festa mais esperada do ano em toda Europa
Natal é a festa mais esperada do ano em toda Europa

A decoração natalina de Vilnius neste ano forma um espetáculo magnífico com pinheiros que parecem ter saído de um conto de fadas. O clima de Natal é simplesmente contagiante, mesmo com neve e temperaturas negativas as pessoas parecem mais felizes durante este período. O esplendor das luzes de Natal transforma  a paisagem de céu cinzento típica de dezembro  trazendo magia e expectativa em cada canto de Vilnius. Afinal de contas, Natal é a festa mais esperada do ano em toda Europa!

Foto: GoVilnius / divulgaçãoVista aerea do relógio de Natal
Vista aerea do relógio de Natal
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalenfeites no pinheiro lembram mecanismos internos do relógio
enfeites no pinheiro lembram mecanismos internos do relógio

 A praça da Catedral, principal da capital lituana, se transformou num palco inaudito, reverenciando as festas de Natal. Uma árvore de Natal de 27 metros de altura, montada numa estrutura de metal e preenchida com mais de seis mil galhos de pinheiro natural, foi recoberta por luzes e enfeites que lembram as peças internas de um relógio. Vista do alto, a decoração cria a face de um grande relógio com o pinheiro como peça central e um manto luminoso, unido pelas barraquinhas brancas em torno da grande instalação. O tema evoca o Natal como uma celebração de luz, em qualquer tempo, assim como nos mostra que nosso tempo aqui é efêmero.

Foto: GoVilnius/ divulgaçãoSimplesmente divino!
Simplesmente divino!

 

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalBolachinhas de mel e gengibre são típicas desta região
Bolachinhas de mel e gengibre são típicas desta região

 

As cabaninhas formam uma graciosa feirinha de Natal, oferecendo de tudo um pouco, desde acessórios de pele até lembrancinhas de  artesanato local como cerâmica, madeira e bijuterias de âmbar. Outras tendas promovem a culinária lituana,  com sopas, salsichas, bolacinhas de mel e gengibre, e bolinhos fritos que lembram muito aqueles bolinhos de chuva que minha mãe sempre fazia no inverno. Não faltam infusões aromáticas, muitos chazinhos, chocolate quente e claro, o típico quentão (vinho quente com noz moscada e canela) bebida tradicional nos mercadinhos de Natal de toda Europa. Um presépio gigante completa a decoração no largo da Catedral de Vilnius.

 

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalMercadinho de Natal tem de tudo um pouco
Mercadinho de Natal tem de tudo um pouco

 

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalBolinho de chuva, tradição de Natal em Vilnius
Bolinho de chuva, tradição de Natal em Vilnius

 Com a mudança de horário no final de outubro os dias por aqui estão cada vez mais curtos (e definitivamente sem sol!). Amanhece cada vez mais tarde até o dia 22 de dezembro quando acontece o solstício de inverno. Pelo meio da tarde, antes das quatro,  já está escurecendo. E por isso a decoração de Natal traz energia às cidades europeias convidando a população a passear pelas  ruas iluminadas. Em Vilnius, Natal é antes de tudo uma celebração religiosa. A população predominantemente católica participa ativamente das atividades realizadas pela Igreja.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalPresépio faz parte da decoração
Presépio faz parte da decoração
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalOlha eu ai, maravilhada!
Olha eu ai, maravilhada!

 

Sinfonia de charme e beleza pelas ruas de Viena

por: Solange Silberschlag Beglin
Data: 02/11/2018 | 13:27

De volta à Viena! Já tinha passado pela capital austríaca  muito tempo atrás (viajando de mochila Europa afora),  e mais recentemente em conexões aéreas para Minsk, mas sempre com poucas horas para realmente conhecer a cidade. Dessa vez foi uma viagem diferente, romântica e de gratidão, brindando a vida enquanto comemorava com meu marido nosso aniversário de   vinte anos de casamento.

 

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalPasseio de charrete e uma boa pedida na capital austriaca
Passeio de charrete e uma boa pedida na capital austriaca
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalPalacio da Justiça
Palacio da Justiça

 Durante quatro dias vasculhamos cada cantinho de Viena, saboreando o ar tranquilo desta majestosa cidade. Enquanto nos perdíamos caminhando sem rumo pelo emaranhado de ruelas estreitas que formam o centro antigo renovamos nosso amor  descobrindo o esplendor de Viena. Experimentamos pratos deliciosos, como o tradicional Wiener Schnitzel (escalope à moda de Viena,  normalmente acompanhado de salada de batatas) assim como outras iguarias típicas da Austria sempre regadas a bons vinhos e cervejas locais! E claro que eu não deixei de experimentar  a famosa torta de chocolate, Sachertorte (recheada com uma camada de geleia de damasco e simplesmente divina).

 

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalTorta Sachertorte! tem como recusar essa delícia???
Torta Sachertorte! tem como recusar essa delícia???

 

Com pouco menos de dois milhões de habitantes, Viena é uma capital pequena e compacta e fácil de ser visitada.  O centro histórico é praticamente uma zona pedonal gigante, circundada pela  Ringstrasse, avenida circular mais importante da cidade, construída no início de 1900, no mesmo lugar onde se encontrava uma  muralha medieval. Uma ótima opção é passear de bondinho pela grande avenida para apreciar  a magnífica arquitetura da capital e os parques que embelezamos bairros adjacentes.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalBondinho, uma das opções de transporte publico na capital austriaca
Bondinho, uma das opções de transporte publico na capital austriaca
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalmuitas ruelas para se perder e se achar novamente ...
muitas ruelas para se perder e se achar novamente ...

Viena respira cultura e por onde se anda é impossível não perceber o legado deixado por seus antepassados famosos. Afinal de contas, foi aqui que nasceram Wolfgang Mozart, Gustav Klimt, Franz Schubert, Sigmund Freud, Alfred Adler entre tantos outros vultos famosos do mundo da música clássica, artes e psicanálise. Viena exalta uma aliança inexplicável entre duas artes irmãs: poesia e música.

 Em qualquer canto da capital austríaca  temos a impressão de estar caminhando entre guetos artísticos, sonetos poéticos vão ecoando pelas ruas emolduradas por  elegantes  palácios neoclássicos e entre uma praça e outra encontramos sempre algum artista de rua reverenciando os grandes compositores da música clássica. Viena é a cidade dos sonhos!

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalcentro antigo, perfeito para caminhadas sem rumo
centro antigo, perfeito para caminhadas sem rumo
Foto: S S Beglin / arquivo pessoaligreja luterana em Viena
igreja luterana em Viena

 Em março deste ano Viena foi apontada - pela nona vez - como a cidade de melhor qualidade de vida do mundo de acordo com estudo realizado pela consultoria Mercer. Passeando pelos parques maravilhosos e ruas impecáveis não nos surpreende que a capital austríaca é considerada a melhor cidade do mundo para se viver. Trata-se de uma capital segura e limpa,  com ótimo sistema de transporte público, oferecendo assistência médica ampla e custos moderados de habitação à população.

 

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalChimarrão bem gaúcho em terras austriacas!
Chimarrão bem gaúcho em terras austriacas!

 Viena ostenta uma cena cultural vibrante com muitas galerias, salas de teatro, ópera, palácios que retratam o passado imperialista e tantos museus. A capital transformou prédios históricos num quarteirão inteiro dedicado a museus variados que contam a história marcante do país. Conto mais no próximo post!

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalJá tinha visitado Viena outras vezes, mas esta capital com cara de cidade do interior é sempre impressionante
Já tinha visitado Viena outras vezes, mas esta capital com cara de cidade do interior é sempre impressionante
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalEu e ele, minha alma gêmea!
Eu e ele, minha alma gêmea!

 

Enseada de Kynance, o paraíso da Cornualha

por: Solange Silberschlag Beglin
Data: 03/09/2018 | 16:11

 

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalVilarejo de St Ives
Vilarejo de St Ives

 Um pedacinho da Inglaterra ainda desconhecido do turismo de massa,  distante da vida frenética urbana. A região da Cornualha revela um mundo de tranquilidade cada vez mais raro na Terra da Rainha. Um mundo recheado pelo passado místico e tanta história do povo celta que dominou aquela terra. Na última semana fomos até lá curtir nossas tradicionais  férias de verão  com a família.

 

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalDá até para se confundir com o mar do Caribe!
Dá até para se confundir com o mar do Caribe!

 

É bem lá na pontinha sudoeste da Inglaterra, onde a terra da Rainha termina, curvando-se para a imensidão do oceano Atlântico, que a Cornualha reina imponente como uma das regiões mais encantadoras do país. Recortada por centenas de quilômetros de litoral, a  Cornualha (em inglês Cornwall) se destaca por suas paisagens deslumbrantes. Panoramas constrastantes emolduram com perfeição a natureza abundante, povoados esparsos e a vastidão do mar cristalino, como num quadro de cartão postal.  Em cada canto da península  vilarejos de pescador debruçados para o mar formam imagens que parecem ter saído de um conto de fadas.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalEnseada de Kynance
Enseada de Kynance

  

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalPor onde se olha, paisagens de tirar de fôlego
Por onde se olha, paisagens de tirar de fôlego

A Cornualha preserva com maestria seu passado celta, com vários monumentos e cruzes reverenciando tribos, espalhadas por todo território. A região forma um dos condados da Inglaterra, mas  os nativos não se igualam aos ingleses. Os habitantes da Cornualha têm muito orgulho da identidade córnica, com língua própria e representação simbólica com  bandeira nas cores preto e branco  sempre tremulando pelas cidadezinhas.  Durante os meses de junho, julho e agosto a região atrai grande número de famílias veranistas. Nesta época se desenrola também extensa programação cultural destacando o folclore córnico, com muitos vilarejos decorados com figuras místicas e folclóricas. Praticamente todo sábado e domingo acontece algum tipo de evento cultural ou de música envolvendo a comunidade local.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalVilarejos históricos bem conservados
Vilarejos históricos bem conservados
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalAdoro as casinhas coloridas de Fowey
Adoro as casinhas coloridas de Fowey

 É no verão que o povo córnico sai às ruas em pequenos desfiles alegóricos, fantasiados e seguindo tradições de outros tempos, muitas que remontam à Idade Medieval. Para quem assiste de fora, algumas das celebrações parecem ridículas, como espancar bonecos  gigantes. Muitas comemorações reverenciam justamente a mitologia córnica plena de mistério, bruxaria, gigantes amaldiçoados, fadas e demônios.  Ao conversar com moradores locais tentamos desvendar o enigma de algumas tradições!

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalPrainha lotada na enseada de Kynance
Prainha lotada na enseada de Kynance
Foto: S S Beglin / arquivo pessoalLongas trilhas até chegar no mar
Longas trilhas até chegar no mar, e muitas vacas!

  Eu amo esta região não somente pelas belíssimas praias, mas principalmente pelo incrível contraste entre  a natureza viçosa,  campos cheio de ovelhinhas pastando e penhascos  despencando no oceano sem fim. Por onde se anda o panorama é de tirar o fôlego com vistas sedutoras de vilarejos e pequenas baías. A enseada de Kynance é um desses lugares de beleza estonteante. Localizada na ponta sudoeste da península de Lizard, Kynance se destaca pela água verde esmeralda e prainhas de areia branca.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalMar cristalino
Mar cristalino

 

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalCervejinha local e esta paisagem maravilhosa... nossas férias na Cornualha!
Cervejinha local e esta paisagem maravilhosa... nossas férias na Cornualha!

As praias por aqui  têm pouco a ver com a orla brasileira pois a costa córnica  é toda recortada por falésias enquanto o acesso à maioria das praias se dá através de trilhas íngremes  e escadarias. Em Kynance, o espetáculo inicia logo na chegada, depois de estacionar o carro, caminhamos à beira de falésias  serpenteando a trilha no meio do campo. A vista do alto do penhasco é de arrancar suspiro com o mar refletindo a luz do sol e maciços rochosos contornando  a enseada lá embaixo. A impressão é de estar tocando o além, tamanha beleza deste lugar.

 

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalBar e restaurante da praia de Kynance está aberto durante o verão
Bar e restaurante da praia de Kynance está aberto durante o verão

 

A água cristalina rivaliza qualquer praia do Caribe, embora (é claro) seja gelada! O contraste de cores é quase indescritível. Para chegar até a prainha são centenas de metros descendo a trilha irregular (na volta, naturalmente, é cerro acima), mas a recompensa de contemplar a magnífica paisagem vale à pena todo fôlego. Os banhistas se espalham em cada cantinho de areia, além de usar barraquinhas e quebra-ventos nas áreas rochosas. Veranear na Cornualha está bem longe do conceito de férias nos trópicos, naquela orla marítima perfeita,cheia de  resorts oferecendo conforto a todos. Na costa da península de Lizard as famílias carregam tudo nas costas, pois só tem praia enquanto a maré está baixa!

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalSó dá praia na maré baixa!
Só dá praia na maré baixa!

Assim o calendário diário  da maré é um dos mais consultados no site da prefeitura regional pois os cantinhos de areia mais encantadores da região ficam cobertos pelas águas claras. Na enseada de Kynance durante os meses de verão a prainha conta com um pequeno restaurante, oferecendo cervejas locais, sanduiches e grande variedade de 'pasty', famoso pastelão da Cornualha com recheio apimentado.

 A Cornualha é  daqueles lugares para serem visitados com calma, sem atropelo, explorando caminhos sinusos e trilhas estreitas no alto das falésias contornando o oceano.Para conhecer a Cornualha é preciso voltar no tempo, caminhando  devagarinho absorvendo a beleza selvagem de cada cantinho dessa região que influenciou tantos  escritores e artistas, e cujos cenários são parte essencial de suas obras. Viajar pela Cornualha é justamente  uma espécie de retomada das histórias que criaram impressões marcantes sobre a região. As paisagens descritas nas obras literárias continuam praticamente intactas, pouco mudou desde quando Arthur Conan Doyle (1859-1930), Agatha Christie (1890-1976), Daphne du Maurier (1907-89), Virginia Woolf (1882-1941), D.H. Lawrence (1885-1930), Marion Z. Bradley (1930-99),  Rosamunde Pilcher (1924) e tantos outros escritores ambientaram suas histórias retratando a região.

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalAlém do litoral, visitamos também alguns vilarejos
Além do litoral, visitamos também alguns vilarejos

 

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalRetrato da família!
Retrato da família!

Para conhecer esta região plena de mistério e superstição basta apenas estar de bem com a vida, apreciando a simplicidade de cada momento,  deixando-se embalar pelas águas transparentes  num passeio de barquinho, descobrindo estórias e lendas em grutas milenares.  Eu amo esta região por sua simplicidade. A Cornualha me completa. A Cornualha me dá paz espiritual. Continuo no próximo post.

 

Foto: S S Beglin / arquivo pessoalA Cornualha me completa!
A Cornualha me completa!

 

 
Páginas:
12345...Próximo
PERFIL

Solange Silberschlag Beglin


Há 22 anos morando na Europa com meu marido inglês e nossos três filhos, adoro viajar, renovar conceitos e assimilar novas culturas. Nesta longa trajetória já morei em Roma durante quatro anos e meio, dois anos na Líbia, quatro anos em Paris, dois anos em Minsk, capital da Bielorússia, e atualmente moro em Londres. Na terra da rainha Elizabeth estão as raízes da nossa família. Entre uma mudança e outra, ao longo dos anos a bagagem cultural foi aumentando e enriquecendo a alma. Vou contar um pouco aqui neste blog justamente sobre as diferenças culturais, estilo de vida e tradições do velho continente. Vou relatar minhas viagens, sempre com várias dicas, assim como fatos interessantes e pitorescos da vida cotidiana na Europa. Viaje comigo e compartilhe aqui também a sua experiência!

BUSCA
CATEGORIAS
LINKS ÚTEIS
    ÚLTIMOS POSTS